sexta-feira, março 16, 2007

A Vidinha de Empresário no Nosso País


O encerramento da Fábrica de Calçado Rohde, fez-me pensar numa prática, cada vez mais comum no nosso país, entre os muitos empresários, que não têm qualquer pejo em deixar de pagar os ordenados dos seus operários, sem contudo prescindirem das suas mordomias, donde se destacam os carros de gama alta em que se fazem deslocar, de preferência o último modelo das marcas do costume...

Quando fecha mais uma empresa, fala-se sempre de falta de competitividade e de mercado, esquecendo a incompetência e a má gestão...

Desta vez, são mais 1.300 trabalhadores, empurrados para o desemprego...

10 comentários:

residente disse...

A responabilidade pela má gestão e maus resultados é sempre das chefias, contrariamente ao que muita gente pensa e diz, embora seja mais fácil e de bem,atribuir culpas aos mais fracos.

Repórter disse...

Todos sabemos que essas viaturas e outras mordomias nunca estão registadas em nome dos "grandes senhores"... não vá o diabo tecê-las.
Mas a culpa não é deles. É de quem continua a permitir esta vergonha. É evidente que esta classe mete nojo não tem qualquer pejo em atirar com trabalhadores para o desemprego e a seguir, com a complacência de quem de direito, abrir outro negócio, noutro nome, na mesma rua se necessário fôr.
Legislação anti isto, há?

(Gostei desta do anti isto...)

Rosa dos Ventos disse...

É com uma dor imensa que vejo tanto desânimo, tanta tristeza, tanta revolta, tanta vida suspensa sobre o nada!
Enquanto isso, como dizes, os empresários procuram espairecer as suas "falências" numa vida de luxo que é um atentado à moral pública!
E os sinais exteriores de riqueza tornam-se invisíveis!
Que raiva!!!!

Luis Eme disse...

Pois é Residente, faz parte da nossa história, escolher sempre os mais fracos e frágeis como "bodes espiatórios"...

Melhor exemplo que o da função pública, não há...

Luis Eme disse...

Se não há devia haver, Repórter.

Passam a vida a falar dos "cruzamentos" de dados entre bancos e o fisco... mas não passa de conversa fiada.

Além dos sinais exteriores de riqueza, que estes senhores, à boa maneira portuguesa, gostam de exibir...

Luis Eme disse...

As melhores palavras são essas, "uma dor imensa"... de quem se vê de um momento para o outro sem o ganha pão.

Não tenho dúvidas de que o subsídio de desemprego não passa de mais um engano, Rosa...

E o pior é não vermos sinais animadores em relação ao futuro...

Maria P. disse...

Um acontecimento que nos faz pensar para onde caminha este país?! Ou se caminha?...

Um abraço*

Luis Eme disse...

É verdade Maria.

Para onde irá este país com gente de carácter tão duvidoso, à frente dos partidos e das empresas?

isabel victor disse...

Estamos no mau caminho !!!!!

Luis Eme disse...

Pois estamos Isabel...