quarta-feira, março 14, 2007

Eusébio e Romeu Correia


Quando Clara me contou a história sobre a "perseguição" que lhe moveu o cineasta Arthur Duarte, lembrei-me de Romeu Correia.

Lembrei-me por uma razão muito simples. Romeu contou-me numa das nossas conversas literárias, que tinha escrito um guião para cinema, a pedido de Arthur Duarte, sobre a vida de Eusébio.

Ele teve o cuidado de me confessar, que o guião do filme era completamente diferente da fita mediocre realizada nos anos setenta, a qual assisti, no desaparecido "Cine-Teatro Pinheiro Chagas", nas Caldas da Rainha.

Infelizmente, por falta de apoios, o filme de Arthur Duarte acabou por nunca ser realizado...

Nunca lhe perguntei o que era feito do guião. Mas cuidadoso como Romeu era, de certeza que tinha uma cópia guardada em casa...

Este episódio fez com que me recordasse que o espólio do escritor e dramaturgo almadense continua "fechado" na casa onde viveu, sem ter alguém especializado, a catalogar e a organizar, tudo o que ficou de uma vida extremamente rica, e que não deve ser nada pouco...

Nem sequer me vou dar ao trabalho de falar das "culpas" do Município e dos familiares do Romeu, para todo este silêncio, cada vez mais denso, à volta da maior figura da literatura de Almada.

A única coisa que adianto, é que compreendo, cada vez melhor, a posição dos descendentes de Romeu em todo este processo...

12 comentários:

Blackbird disse...

Olá Luis. Agora fez-me lembrar a minha infância...li todos os livros de Romeu Correia que se podia encontrar na biblioteca da escola António da Costa...

Belas tardes que passei sozinho literalmente naquela biblioteca mas muito bem acompanhado por todas aquelas personagens que quase tinha a certeza que as conhecia...

Abraço

João Vasco disse...

Olá Luis

Muito sinceramente eu não tenho conhecimento desse guião cinematográfico sobre a vida do Eusébio.
O Romeu realizou um guião para um filme do Manuel Guimarães, "A Costureirinha da Sé", situação esta que ele mais tarde descreveria como desagradável. Parece que no final do processo, o Romeu acabou por não ter menção no ecrã, e o trabalho foi atribuido a outra pessoa. (plágio, portanto!)
Sei também que existiam dois guiões cinematográficos para adaptação do romance "Bonecos de luz" mas nenhum deles foi escrito pelo próprio Romeu. Infelizmente, nenhum destes projectos teve patrocinio ou subsidio para avançar!
Vou contudo verificar sobre esse guião de que falas, Luis! É vem provável que ele exista e eu não tenha conhecimento.

Abraço
João Vasco

Repórter disse...

Luis
Tenho a certeza, e permite-me que brinque um pouquinho, que o ilustre e saudoso Romeu Correia nunca tenha feito qualquer guião sobre a sua não anuência ao "sistema".
Se isso tivesse acontecido, daria um filme do tipo Manoel Oliveira: grandeeeee!

Cris Caetano disse...

Não sei se é exagero, mas lembro de meu pai sempre comentar de que, se não fosse o Salazar, Eusébio teria tido uma carreira tão ou mais brilhante que a do Pelé - e se não foram estas suas palavras, era algo semelhante, neste sentido.
bjo

Luis Eme disse...

A escrita simples e as personagens bastante reais (o Romeu Correia apanhava-as aqui e ali...) fazem com que os seus livros proporcionem sempre boas leituras, "Blackbird".

Luis Eme disse...

Eu soube da possibilidade dos "Bonecos de Luz" de Romeu poderem ser adaptados, João Vasco.

Do caso do "plágio", não.

Em relação a este guião sobre o Eusébio, o Romeu falou-me dele, numa das entrevistas que lhe fiz para o "Record".

Luis Eme disse...

Claro que não deve ter feito, Repórter...

Embora o "sistema" (a realidade Autárquica...) dos nossos dias seja muito diferente de há dez anos. As coisas evoluiram para caminhos mais perigosos e pantanosos, infelizmente.

Luis Eme disse...

Há algum exagero da parte do teu pai, Cris.

Mas se Eusébio tivesse emigrado para Itália (Inter MIlão) ou Espanha (Real Madrid), teria tido outra notoriedade, sem qualquer dúvida.

Mas Pélé era diferente de Eusébio, talvez mais completo, mais artista!

Rosa dos Ventos disse...

Então era esta a camisola da Selecção?
Já não me lembrava...
Sempre o grande Eusébio!

Luis Eme disse...

Não Rosa. O Eusébio está com o blusão de fato de treino da época. A camisola era grenat, como é hoje (embra fosse ligeiramente mais clara...).

Maria P. disse...

Romeu Correio um homem fantástico de grande humanismo.

Bom Domingo*

Luis Eme disse...

Foi sim senhor, Maria.

Romeu ajuda-me a perceber que só as pessoas de valor é que têm detractores, oficiais e oficiosos...