sábado, maio 27, 2017

Uma Bela Surpresa


Ontem acabei por ter uma bela surpresa, no Centro de Documentação das Instituições Religiosas e da Família, por ver na assistência muitas pessoas que não conhecia, para além dos amigos, claro, que não nos deixam "desamparados" nestes momentos.

E nem vou falar de uma Amiga que veio de mais longe, e por ser de fora, andou perdida por Almada, encontrando a Capela da Ramalha, já próximo do fim. As surpresas, mesmo as boas, nem sempre correm da melhor maneira...

Apesar de ter cinco folhas com palavras, funcionaram mais como auxiliares, pois acabei por falar quase de improviso, prolongando até um pouco a palestra. Isso aconteceu pelo entusiasmo que fui sentindo, ao falar sobretudo do Romeu Correia (fiquei com a sensação de que falei mais dele e da sua obra que das Bibliotecas e da Cultura Almadense...), e também por descobrir interesse nos olhares da plateia...

Houve também algumas intervenções da plateia, que acabaram por enriquecer a sessão.

Um dos aspectos mais importantes que retive, foi ter conseguido despertar a curiosidade e o interesse pela obra teatral do Romeu, que penso ser a mais desconhecida da maior parte das pessoas.

(Fotografia de Mimi)

quarta-feira, maio 24, 2017

Romeu, Bibliotecas, Culturas...


O convite inicial foi para falar dos meus livros, com total liberdade. Acabei por decidir ir mais longe e falar de coisas mais abrangentes, sem me esquecer de que estamos no ano do Centenário do Romeu Correia.

É já na sexta.

segunda-feira, maio 22, 2017

As Cigarras, as Formigas e as Vespas...

Em contraponto com o que escrevi ontem, achei que também devia acrescentar aqui que o associativismo está longe de ser um "mundo de puros". Tal como a sociedade, também tem  o seu lado de "albergue espanhol", ou seja, as portas estão abertas para todo o tipo de gente, até mesmo para os oportunistas e para todos aqueles que pensam ser mais do que são (a culpa não é apenas dos espelhos mentirosos que têm em casa...), e que julgam encontrar muitas vezes nas colectividades um "palco" à sua medida...

Sei do que falo, e é graças a eles que em breve lhes acenarei com as mãos e deixarei o caminho livre. Talvez alguns ainda vão a tempo de perceber, de uma vez por todas, que a única coisa que costume cair do céu, é alguma chuva, e só de longe a longe, pelo menos neste nosso "paraíso" descoberto há meia dúzia de anos pelo mundo...

É também por isso que cada vez compreendo mais o meu amigo Orlando, que só quer que o deixem ser apenas quem é...

(Felizmente o Associativismo é um mundo livre e podemos sempre escolher e  recordar  as boas companhias, como fiz ontem...)

(Óleo de Paula Rego)

domingo, maio 21, 2017

O Associativismo Pode (e Deve) Ser uma Escola de Sabedoria e de Amizade...


A vida dá-nos a possibilidade de escolhermos o nosso caminho ao longo dos anos. É por isso que normalmente trilhamos as estradas que mais nos agradam, seja pela sua "paisagem envolvente", pelos "lugares para onde nos levam"  ou até pela "qualidade do piso".

Acontece o mesmo com as pessoas que nos rodeiam, quando se gera empatia de uma forma natural, a amizade acontece como se quer, despida de quaisqueres interesses.

Mesmo que não seja tempo de balanços, não esqueço que o Associativismo tem sido sobretudo uma escola de sabedoria e de amizade, talvez por ter tido a sorte de ser "levado à certa" por dois grandes mestres, o Henrique e o Fernando, que sempre me trataram como um igual, apesar de sermos de gerações diferentes.

Cresci muito com a simplicidade desta gente que se entregava a causas, apenas com o objectivo de fazer coisas, de dar o melhor de si. Coisas que além de lhe darem prazer, tinham como principal objectivo chegar aos outros. Tantos projectos colectivos e individuais em que não teria participado (livros, folhetos, exposições, espectáculos, homenagens, palestras, etc) sem esta marca almadense...

É por isso que digo que nestes já mais de vinte anos de ligação ao associativismo, foi uma sorte ter escolhido (e também ser escolhido...) a SCALA e a Incrível Almadense, como espaços colectivos de desenvolvimento cultural e de amizade. 

Hoje sei, e sinto, que a amizade acaba por ser o principal "farol" de tudo isto. Sei que seria muito mais pobre se não tivesse conhecido pessoas como o Henrique, o Fernando, o Diamantino, a Idalina, a Clara, a Gena, o Américo... e principalmente, o Carlos, o Chico e o Orlando...

(Óleo de Maxwell Gordon Lighfoot)

sábado, maio 20, 2017

Galeria de Rua no Centro de Almada

Hoje, entre as 10 e as 16 horas, a Praça S. João Baptista de Almada acolhe a Galeria de Rua, da "Arte em Festa", organizada pela Imargem, com o apoio de outras associações culturais do Concelho.


Já passei por lá de manhã e gostei bastante do que vi... Até os gatos da Aurora subiram as árvores da praça...

(Fotografias de Luís Eme)

quinta-feira, maio 18, 2017

Tertúlia com Orlando Laranjeiro





















O meu amigo Orlando Laranjeiro no próximo sábado vai levar-nos de "viagem" pela sua história de vida, que se confunde com o Movimento Associativo de Almada, e é cheia de motivos de interesse, como o espectáculo inesquecível que idealizou e encenou há mais de trinta e três anos, "Almada Antes e Depois de Abril".

A não perder, à partir das 16 horas, na sede da SCALA.

sábado, maio 13, 2017

"Diálogos Abertos"


Esta exposição que será inaugurada logo às 16 horas, tem um simbolismo especial, é mais um ponto de encontro entre as associações almadenses que fazem Arte. Neste caso particular entre a IMARGEM, Amigos da Cidade de Almada, Oficina Divagar e SCALA.

É nestes momentos que nos devemos lembrar dos principais ideólogos deste trabalho colectivo, deste e de outros "Diálogos Abertos": Francisco Palma e Aurora Bargado.

terça-feira, maio 02, 2017

Abril em Maio na Incrível

No próximo sábado será inaugurada na sede da Incrível a exposição, "A Incrível na História da Resistência em Almada", que tem o meu dedo. 

Há alguns episódios e algumas pessoas que merecem ser recordadas. É isso que iremos procurar fazer.

Após a inauguração haverá um colóquio, que tem como convidados principais Alexandre Castanheira e Carlos Alberto Rosado, dirigentes e activistas culturais na Incrível em dois períodos distintos, e que será moderado por mim.

São dois motivos de interesse para quem se interessa por história e gosta da Incrível Almadense.