quarta-feira, setembro 23, 2020

Quando a Presidente de Câmara nos "Envergonha"...


Quando ouvi Inês Medeiros, presidente do Município de Almada, a gracejar sorridente na televisão, que os moradores do bairro social do "Picapau Amarelo", "têm uma vista maravilhosa" e que não se importava de ir para lá viver amanhã, pensei que se tratava de uma "brincadeira". 

Não, é muito pior que isso: é a demagogia política no seu melhor.

Como é que uma presidente de Câmara é capaz de dizer isto? Até parece que as pessoas  vivem apenas da vista das suas habitações e que as condições de habitabilidade das suas casas não contam para nada. Com a agravante de existirem muitos apartamentos que precisam de obras há mais vinte anos (Isto sem pôr em causa que muitas vezes são os próprios moradores os culpados das más condições em que vivem, pelos seus comportamentos destrutivos e por não fazerem a manutenção devida). 

Se eu morasse no bairro do "Picapau Amarelo" (ou apenas "amarelo"...), aparecia na sede do Município e propunha-me trocar de casa com a presidente, já amanhã.

Pois é, parece que só falta mesmo, roubarem-lhes a vista (e vontade não deve faltar a muitos especuladores e agentes imobiliários, que adorariam encher toda a margem sul do rio com condomínios fechados e hotéis de luxo).

(Fotografia de Luís Eme - Monte de Caparica)

segunda-feira, setembro 21, 2020

Passa Tudo Pelas Pessoas...


Não sei o que vai acontecer ao Associativismo Almadense, num futuro próximo (fizeram-me essa pergunta há meia-dúzia de dias...). Sei apenas que nada será como dantes. E que muitas portas fechadas quando forem abertas irão ter muitas dificuldades em enfrentar o dia-a-dia  (as que forem...).

Sei apenas que há mais dúvidas que certezas, num cenário cada vez mais cinzento.

Infelizmente esta pandemia funcionou como lente, aumentando as dificuldades de sobrevivência de todas as colectividades, ao mesmo tempo que serviu para questionar a sua importância na sociedade almadense actual (ou pelo menos devia ter servido...).

Sei que qualquer solução terá passar pelas pessoas (mesmo que se perceba à légua que há pouco interesse em resolver problemas que se arrastam à décadas...). Em primeiro lugar pelos próprios dirigentes associativos, porque muitos têm "vistas curtas" (estão parados entre o passado e o presente...), depois pelos autarcas, que sempre se serviram das Colectividades para serem eleitos (claro que se o associativismo estiver quase "moribundo", como está actualmente, não servirá para nada...). E se forem autarcas do PS e do PSD (como é o caso no Município), continuarão a oferecer nenhuma solução, porque graças aos "óculos" que usam, continuam a ver em cada associativista um comunista...

(Fotografia de Luís Eme - Ginjal)

segunda-feira, setembro 14, 2020

Uma História com Quase Quatro Anos...


Pelos comentários, percebi que muitas pessoas não acompanharam todo este processo de recuperação e devolução do monumento do Burro e das Crianças aos cacilhenses. 

Foi por isso que achei por bem voltar atrás no tempo e "historiar" o que fui publicando aqui no "Casario", desde 2016. 

A primeira fotografia foi colocada juntamente com um pequeno texto, intitulado: "A Destruição e Banalização do Bem Público", publicada a 28 de Dezembro de 2016.



A 22 de Maio de 2019 resolvi escrever mais um texto, acompanhado desta fotografia, com o título: "Tudo Igual Quase Três Anos Depois".




Voltei a escrever novamente sobre o Monumento a 3 de Julho de 2019, porque a solução encontrada para resolver o problema, foi colocar-lhe uma vedação... Foi por isso que lhe chamei: "A Solução do Costume...".

(Fotografias de Luís Eme - Cacilhas)

domingo, setembro 13, 2020

Monumento às Burricadas é Devolvido aos Cacilhenses, Alguns Anos Depois...

Foi com agrado que verificámos que terminou a longa "quarentena" do monumento dedicado às burricadas e às crianças cacilhenses, que fica na rua Comandante António Feio.


Além de ter sido limpa, a escultura de Jorge Pé-Curto também foi reparada (as crianças estavam presas por arames, ainda antes do ataque de vandalismo assinado com gatafunhos de mau gosto...).

Agora só esperamos que o respeito pelo património artístico  e histórico impere em Cacilhas.

(Fotografias de Luís Eme - Cacilhas)

sexta-feira, setembro 11, 2020

(Carta para um amigo que só pode morar no céu e que fez ontem cem anos)

«Nós que estamos cá em baixo, não sabemos rigorosamente nada do que se passa aí em cima. Só os frequentadores de templos é que fingem saber mais que o comum dos mortais e até falam no paraíso e no inferno, perante a nossa indiferença e cepticismo.
Se por acaso, tiveste a oportunidade de espreitar, viste um grupo de gente - mais do que é aconselhável nesta época, embora estivéssemos todos de máscara -, que te quis homenagear neste teu dia. 
Reconheceste os teus três queridos filhos, netos, bisnetos (que já vieram ao mundo depois de partires...) e mais alguns familiares. Depois olhaste com satisfação para alguns amigos e com curiosidade para os conhecidos e desconhecidos que também quiseram estar contigo.


Foi dado alguma solenidade a esta homenagem, pois além das flores colocadas junto à placa com o teu nome, houve as palavras habituais de circunstância, ditas por autarcas e associativistas, que à excepção do teu filho Henrique, quase só ouviram falar de ti... e talvez tenham folheado algum dos teus livros, de manhã, para escolherem uma ou outra palavra bonita que te identificasse.
Não sei o que disseram porque o vento foi levando as palavras para toda a parte e só mesmo quem estivesse perto dos "bem falantes" é que te poderia contar o que foi dito.
No meio destes discursos, aqueles que te conheceram bem (éramos mais de meía-dúzia...), olharam uma ou outra vez para o céu, à procura de um sinal de ti. Sabem que se existe mesmo um lugar paradisíaco no além, tu estás lá, porque és uma das melhores pessoas  com quem partilhámos amizade, bom, digno e integro, em todas as horas.»

(Fotografias de Luís Eme - Almada)

quinta-feira, setembro 10, 2020

O Centenário de um Amigo Único...

Henrique Mota faz hoje cem anos.

Não foi apenas um grande atleta, treinador, dirigente e escritor de Almada e do Mundo.

Foi um dos melhores seres humanos que tive o prazer de conhecer ao longo da minha vida.

Como já escrevi, várias vezes, foi ele que me apresentou a verdadeira Almada, a cidade das pessoas comuns, mas também a Terra do associativismo, do desporto e dos amantes da história local...

Tanto que aprendi com ele, sem me aperceber, no nosso convívio tertuliano do "Repuxo" e no dia a dia da SCALA, que ele ajudou a fundar...

Permanece na minha memória como um amigo único. 

(Fotografia de Autor Desconhecido)

domingo, setembro 06, 2020

A Terceira Idade, o Movimento e o Covid 19...


Todos sabemos que as pessoas mais vulneráveis são as mais afectadas com o vírus Covid 19. E quanto maior for a idade, maior é a dificuldade de recuperação. Não é por acaso que a maioria das vítimas mortais têm mais de 65 anos...

Esta realidade, embora exija mais cuidados, não é motivo para que se fechem as pessoas da "terceira idade" em casa e não lhes seja permitida viver uma vida "o mais normal possível".

Até porque, se excluirmos o que acontece nos lares para idosos (há muitas outras razões para que sejam mais atingidos pelo vírus, que a idade...), não se têm verificado aumentos de casos entre as pessoas com mais de cinquenta anos, pois geralmente são mais cuidadosas no seu dia a dia, que a gente jovem.

É por isso que acho que se devia arranjar uma alternativa para viabilizar o "Programa Municipal Alma Senior" (vai continuar suspenso até nova avaliação...), com segurança para todos os envolvidos, com programas ao ar livre, de forma a que permita que as pessoas exercitam o corpo e a mente, em vez de ficarem fechadas em casa, presas à televisão, que cada vez é menos saudável...

(Fotografia de Luís Eme - Almada)

sábado, agosto 22, 2020

As Dores da Idade...


Quando a mãe se queixou das dores de cabeça e culpou as "mudanças de tempo" (cada vez mais repentinas...), a minha filha sorriu, como se se tratasse de uma "invenção", ou de uma "desculpa".

Quando se tem dezasseis anos, duvida-se de tudo, também por o corpo suportar quase tudo... É cedo demais para sentir as dores físicas da idade, sentem-se mais as emocionais...

(Fotografia de Luís Eme - Porto Covo)

quarta-feira, agosto 19, 2020

Vem Aí "Mau Tempo no Canal"...


Hoje, ao fim do dia, a mudança de tempo na foz do Tejo, ofereceu uma bonita tonalidade de castanhos e cinzentos, amarelados...

(Fotografia de Luís Eme - Tejo)

domingo, agosto 16, 2020

O Tejo está a Voltar a Ter Movimento...

Os turistas estão a voltar à Capital, e seduzidos pelo Tejo, não perdem um bom passeio do Estuário à Foz...

(Fotografia de Luís Eme - Tejo)

segunda-feira, agosto 10, 2020

Uma "Pequena (grande) Ilusão" no Ginjal...


Quem passa pelos restaurantes do Ginjal, sente que está tudo normal.

É impossível manter o distanciamento, entre quem passa e quem lancha ou janta... 

E depois, o Tejo, com a sua beleza natural, ajuda a alimentar esta "pequena (grande) ilusão"...

(Fotografia de Luís Eme - Ginjal)

sexta-feira, agosto 07, 2020

Um Amigo Único

Talvez nem ele saiba de onde lhe vêem as forças... que o ajudaram a chegar, hoje, aos noventa anos.

A vida teimou, vezes demais, em lhe oferecer "o pão que o diabo amassou". Mas ele enfrentou-a de peito aberto, decidido a construir o seu próprio destino. E conseguiu-o.

Claro que não comemora este aniversário, como desejava, rodeado de amigos. Este tempo maldito tentou "passar-lhe a perna", mas ele continua com a esperança de voltar a abraçar e a beijar os amigos, não fosse ele um Homem de afectos, que nunca teve pudor em utilizar a palavra amor no seio da família e dos amigos.

Para o Orlando o melhor da vida continuam a ser as pessoas. Foi por isso que encontrou no Associativismo um campo de amizade, companheirismo e solidariedade. Foi por isso que sempre que lhe foi possível, criou "tertúlias", para estar com os amigos.

Faço parte da última tertúlia que ele criou (juntamente comigo, com o Chico e com o Carlos), a "Tertúlia do Bacalhau com Grão", que se foi alargando a mais amigos e que foi interrompida pela pandemia.

Sei que a Amizade não se agradece, mas sabe tão bem sentirmos que temos um verdadeiro amigo, único... 

(Fotografia de Carlos da "Olivença" - Almada)