quinta-feira, março 30, 2017

À Procura de Título...

Pensava que este ano ia ser um ano mais calmo, com algum distanciamento em relação à fotografia artística.

Talvez no final do ano fizesse uma exposição individual. Talvez...

Até que uma desistência (três dias antes da inauguração...) fez com que passasse a noite de ontem a ver imagens de Almada e Cacilhas (em condições de expor... mesmo que uma boa parte delas já fossem expostas noutras exposições). Hoje completei o serviço e escolhi 24 fotografias (há uma ou outra que ainda não estão certas). Um terço nunca foram expostas mas não sei se é possível "harmonizar a coisa"...

Claro que a exposição não será inaugurada no sábado, mas sim na terça, às 17 horas (em princípio).

Já pensei em vários títulos, mas também aqui ainda não há uma decisão final.

E posso informar que muitas das fotografias a expor já passaram pelos meus blogues...

(Fotografia Luís Eme)

quarta-feira, março 29, 2017

Os 90 anos do Mestre Manuel Cargaleiro

Não escrevi nada na altura, mas sei que estou sempre a tempo de falar sobre o Mestre Manuel Cargaleiro, que fez 90 anos há alguns dias e foi agraciado pelo Estado Português e também pelo Município de Castelo Branco.

Almada, a terra onde cresceu e se fez homem e artista, não deu qualquer sinal de gratidão por este artista plástico de renome mundial, que até fez parte do executivo do Município de Almada nos anos 1950, antes de se radicar em Paris...

Felizmente o seu mural junto à fonte de um dos jardins da cidade, continua a resistir ao vandalismo (este tem ficado apenas nas margens).

(Fotografia de Luís Eme)

segunda-feira, março 27, 2017

O Melhor do Teatro...


Enquanto escritor, o melhor que o Teatro me oferece é a possibilidade de escrever sobre a vida, de uma forma bem mais simples e directa, que qualquer outro estilo ou técnica literária.

Quando escrevo não penso numa, mas sim em várias pessoas. São elas que acabam por dar vida às personagens e que um dia poderão ser gente nos palcos...

E isso é o melhor que pode acontecer a quem escreve teatro, ver os "bonecos" que desenhámos com palavras ganharem um rosto, um corpo, serem gente e transformarem o palco numa festa.

sábado, março 25, 2017

A Vitória dos Chupistas e dos Oportunistas...


Continuo convencido que uma sociedade como esta em que vivemos, que se alimenta preferencialmente do compadrio, da mediocridade, da esperteza, e até da injustiça, acabará, mais tarde ou mais cedo, por ficar atolhada na porcaria que vai deixando atrás de si. 

Só que até isso acontecer, muita gente será prejudicada, ferida na sua dignidade, confundida pelos valores que acha certos, e pelos outros, que vigoram...

Tenho conversas intermináveis com alguns amigos sobre este "mundo", cada vez mais de pernas para o ar. É por isso que acrescento que só fiquei indignado com o político holandês que diz que gastamos o nosso dinheiro em vinho e mulheres, por não apontar o dedo aos seus colegas políticos do sul, porque são eles que ganham dinheiro suficiente para beber vinhos caros e seduzir mulheres com preço, e nunca o seu povo.

Apesar de ter sido infeliz e injusto, compreendo-o perfeitamente. Não podemos andar a viver eternamente acima das nossas possibilidades, a gastar o que não temos. E para ser rigoroso, também sei que é quase impossível os países com mais dificuldades conseguirem estabilizar ou crescerem com dívidas tão elevadas.  A renegociação das dívidas é fundamental.

As conversas são mesmo como as cerejas, onde eu já vou... e o que queria era falar da realidade associativa almadense, que acaba por ir um pouco ao encontro das palavras do "holandês"...

Eu por exemplo, tenho muito orgulho de pertencer a duas colectividades almadenses que continuam a sua caminhada, com grande dignidade, sem nunca terem estado reféns de qualquer poder, político ou económico, ao longo das suas histórias - uma longa de 168 anos outra mais curta de apenas 23 anos.

E ao contrário do Carlos, nem fico demasiado  incomodado por serem muitas vezes penalizadas por fazerem uma gestão cuidadosa, por conseguirem promover a cultura sem grandes custos, ao mesmo tempo que apresentam as suas contas aos seus associados, sem dívidas.

Digo isto porque normalmente quem gasta mais do que tem, acaba por sair beneficiado em relação a quem cumpre, com os apoios dados pelas autarquias, com a velha desculpa de que é preciso evitar a todo o custo a possível "falência"... E o mais grave, é que não se vê ninguém ser chamado à responsabilidade, mesmo pelos associados, como responsável por gestões danosas.

É por isso que por muito que se fale em justiça, igualdade de oportunidades e etcétra, na sociedade actual os "chupistas" e os oportunistas acabam sempre a ganhar...

terça-feira, março 21, 2017

domingo, março 19, 2017

Um Sábado Cheio de Cultura...


Ontem foi tive um sábado cheio de Cultura...

De tarde foi o lançamento do livro e inauguração da exposição, "O Feitiço da Água" do meu amigo Modesto Viegas, um dos grandes fotógrafos da margem Sul, na Sede da SCALA (rua Conde Ferreira, Almada).

Não tenho qualquer problema em dizer que esta é uma das melhores exposições de fotografia que vi em Almada, nos últimos anos.


À noite fui ver os "Bonecos de Luz" do Romeu Correia, encenado por Rodrigo Francisco e e interpretado pela Companhia de Teatro de Almada, no Auditório Lopes Graça do Fórum Romeu Correia.

Apesar do começo "periclitante" (e confuso) da peça, as coisas compuseram-se e sai da sala satisfeito com o trabalho desenvolvido pelas personagens, que conseguiram saltar do livro e encher o palco.

(Fotografias de Luís Eme)

quarta-feira, março 15, 2017

"O Feitiço da Água " do Modesto Viegas


Modesto Viegas é um dos bons fotógrafos almadenses, que não só gosta, como explora com grande qualidade, a fotografia de natureza.

Entre outras virtudes, o Modesto é extremamente generoso. E embora não seja de muitas falas, tem me ensinado bastantes coisas (às vezes só com uma frase...) sobre esta arte, cada vez mais popular, que ao contrário do que muito boa gente pensa, não vive apenas do "clique".

É por isso que no sábado lá estarei, na sede da SCALA, para ver as suas bonitas fotografias na parede e também no seu livro, pois desta vez o Modesto também se transformou em "feiticeiro"...

sábado, março 11, 2017

A Arte de Rua é Outra Coisa...


O património de Almada continua a ser vítima de gente sem classificação possível, que com toda a certeza envergonha todos aqueles que se dedicam à Arte de Rua, tão em voga nos nossos dias.

Esta fotografia tirada hoje de manhã à Fonte da Pipa, um dos Monumentos históricos da Cidade de Almada, situado à beira do Tejo, diz tudo da selvajaria perpetuada por meia dúzia de cobardes, incapazes de respeitar o bem público, aquilo que pertence a todos nós...

(Fotografia de Luís Eme)

sexta-feira, março 10, 2017

Fregueses ao "Abandono" em Almada...

Há um pensamento generalizado de que foi uma estupidez ter-se acabado com algumas das juntas de freguesia em Almada, com o qual concordo plenamente.

Mas estou convencido de que este pensamento poderia ser facilmente ultrapassado se as pessoas que dirigem hoje a União de Juntas de Freguesia de Almada, Cova da Piedade, Cacilhas e Pragal, interiorizassem qual é o seu verdadeiro papel na sociedade local.

O fim da proximidade que existiu até às últimas eleições não pode ter apenas como desculpa a união de freguesias. Muito menos o comportamento dos autarcas de hoje, que de uma forma geral, primam pela ausência, tanto nas ruas das localidades como no acompanhamento das colectividades e outras instituições do concelho.

Muitas pessoas que conheço dizem isto à "boca fechada", por serem militantes ou simpatizantes da força política que venceu as últimas eleições (PCP versus CDU).

Sei também que os habituais leitores críticos do "Casario" vão fazer uma leitura transversal do que eu escrevi. Mas deviam encarar este problema de frente, e pensar em arranjar candidatos às próximas eleições, pelo menos com a qualidade do Carlos Leal, Fernando Mendes, ou do saudoso Renato Montalvo, que andava sempre por aí, atento e disponível, tentando resolver os problemas dos almadenses e da Cidade.

Continuo a pensar que quem é eleito para cargos públicos, tem como primeiro objectivo servir a população onde está inserido. Mas se calhar estou errado...

(Fotografia de Luís Eme)

terça-feira, março 07, 2017

"A Natureza Move-se..."


A "Natureza Move-se..." é o título da exposição de gravura e xilogravura de Conceição Freitas, que será inaugurada na sexta-feira, 10 de Março, às 21 horas, na Galeria de Arte da IMARGEM.

A Conceição é reconhecida sobretudo como uma excelente escultora (recordo várias obras que ofereceram uma beleza especial à Festa das Artes da SCALA...). As obras de gravura e a xilogravura acabam por ser produto do seu trabalho como professora, o que não deixa de nos deixar curiosos, por esta sua nova fase artística.

É por isso que na sexta-feira lá estaremos, na IMARGEM, a ver a "Natureza a Mover-se..."

sábado, março 04, 2017

Os "Compromissos" de D' Souza


Hoje, às 16 horas, será inaugurada na sede da SCALA a exposição de pintura, "Compromissos", da autoria de D' Souza.

Esta imagem de um dos quadros e as minhas palavras foram retirados do folheto da exposição.

sexta-feira, março 03, 2017

O Escritor que não Lia Livros

No próximo domingo, às 16 horas, o Cénico Incrível Almadense apresenta a peça, "O Escritor que não Lia Livros", de Pedro Magalhães, no Salão de Festas da Colectividade.

Alberto Oliveira, um dos actores em palco, levanta estas questões, na sinopse da peça:

«Deve um escritor assumir as suas dúvidas num jardim público? No limite por termo à rotina dos dias sempre iguais para que o cidadão foi formatado? Entender nas entrelinhas as palavras não escritas de quem lhe ouve as interrogações? E ler os livros de quem também escreve? Vamos ouvi-lo?»

quinta-feira, fevereiro 23, 2017

Mais uma Porta Fechada para o Rio...

Ontem à tarde fui surpreendido com uma grade metálica que nos proíbe de descer as escadas da Boca do Vento para o Ginjal.

Mesmo que tenha havido alguma derrocada (algo que estranho, porque toda aquela parte da arriba está protegida por redes metálicas...) e seja perigoso caminhar por ali, continuo a não gostar de grades, de muros ou de placas proibitivas e intimidatórias.

Ainda perguntei ao funcionário do elevador, se com a interdição da passagem pelas escadas, a viagem de elevador era gratuita. Disse-me que não e apontou-me a descida na direcção do Olho de Boi...

O que lamento é que seja fechada mais uma "porta" para o rio e para as suas margens, que continuam a ser pouco convidativas para os almadenses...

Às vezes penso que sou "estrangeiro", porque pelo que observo quase diariamente tudo indica que só os estrangeiros (e os pescadores...) é que gostam da beleza do Tejo e do Ginjal...

(Fotografia de Luís Eme)