domingo, março 25, 2007

O Adeus da Fonte Luminosa


A Fonte Luminosa na Praça Gil Vicente, está cada vez mais próxima do fim.
No sábado de manhã surgiram as primeiras máquinas no terreno. Durante a semana já tínhamos assistido à presença de vários funcionários, que andaram a recolher e a transplantar as plantas menos sensíveis às mudanças.
Esta obra faz parte de uma Almada (pós Ponte sobre o Tejo) que se queria moderna e que vai ser “sacrificada” em nome de um outro progresso, que é cada vez mais incerto, tantas são as interrogações que se têm colocado aos almadenses, neste futuro próximo.
Interrogações provocadas por atrasos, teimosias e alterações de trânsito na cidade.
Basta olharmos para as polémicas que envolvem o célebre “Triângulo da Ramalha”, para percebermos que as múltiplas facilidades discursivas do Município - na voz da sua presidente e restante equipa - nas sempre “democráticas” sessões de participação pública, tal como as notícias felizes que enchem o boletim municipal, estão longe de reflectir a realidade almadense.

18 comentários:

residente disse...

Só quem não nunca ouviu ou quer ouvir os almadenses, só quem nunca assistiu aos processos que a CMA usa nas sessões do dito Fórum de Participação MST para afastar as vozes discordantes e não sabe como é elaborado o orgão de propaganda de má política da CMA, que é designado por boletim municipal, poderá dizer que o MST é uma obra de consenso dos almadenses.
Quer-nos parecer.se tivermos saúde para isso,que ainda iremos ter saudades da outra Almada de muito antes do “futuro” que nos dizem estar a um metro....o que será negativo para esta cidade e muito mau para a população.
A propósito será que já estão a ser redigidas as bases do futuro concurso internacional para daqui a uns anos se levantarem os carris da linha férrea e devolver Almada aos almadenses?

Cristina disse...

Bonita Fonte!

Debaixo do Bulcão disse...

António Vitorino, esse profeta dos tempos modernos, revela em primeira mão o resultado do grandioso plebiscito à Nação para apurar qual o maior dos Grandes Portugueses.

Resultado da votação e imagens exlusivas do vencedor em

vitorinices.blogspot.com

Luis Eme disse...

Espero que esteja errado, Residente... para bem de todos nós, almadenses.

Luis Eme disse...

Um dia destes é: «Era uma bonita Fonte...»

Sinais do progresso, Cristina...

Luis Eme disse...

Estou completamente fora de onda, Vitorino.

Para quê dar mais publicidade a um grande "Filho da Puta"?

Repórter disse...

Progressos almadenses?
Em quê? Onde?

A Fonte (cada vez menos)Luminosa vai à vida. Pois vai. A autarquia assim quer.

Almada queria-se moderna. Queria-se...

Luis Eme disse...

Vamos ver a volta que o MST vai dar à cidade, Repórter...

Agora a fonte já era, começou hoje a destruição...

Blackbird disse...

Ontem quando regressava do trabalho, passando por ali a caminho de casa iv que já a começaram a destruir...acabou o tão famoso repuxo. Todos sabiam onde era o repuxo...que até deu nome ao café. Será que este local continuará a ser chamado de repuxo mesmo depois de construído a nova praça toda XPTO?

Abraço Luis

residente disse...

E porque houve muita gente em Almada interessada em dar sugestões sobre este projecto que a CMA designa por MST e diz ser requalificante para Almada, os senhores e senhora que ocupam os Paços do Concelho, "marimbaram-se" para as opiniões interessadas dos almadenses e estão a fazer o que lhes deu na real gana - desqualificar e descaracterizar Almada- apoiados em pareceres técnicos de algumas pessoas que nem sequer conheciam/conhecem Almada. (nós ouvimos isto mesmo da boca de alguns desses técnicos).
Se dermos uma volta por Almada, encontraremos alguns exemplos de mau gosto. Cito O jardim do Castelo, onde colocaram um caixote a par de alguma destruição de mau gosto ecológico.

Luis Eme disse...

Provavelmente vão fazer um "repuxo" pequenino... para os saudosistas, como nós, "Blackbird".

Luis Eme disse...

Ainda no domingo passei pelo jardim do castelo e comentei a existência desse quadrado de "mau gosto".

Embora seja agradável jantar com a companhia do Tejo da ponte e das luzes de Lisboa... continuo a não perceber como foi possível fazer aquilo, naquele lugar, Residente.

De facto há demasiados "abortos" arquitectónicos, numa cidade que se afirma pela diferença positiva, sempre mais (nos discursos, claro...), solidária, justa e limpa.

residente disse...

luis eme...é só blá...blá municipal!
Também estive no domingo no Jardim do Castelo.
Mas nós somos todos culpados do que se está a passar em Almada e, as oposições políticas têm uma grande quota parte de responsabilidade, porque pela passividade, ausência de crítica e "desligamento" com a população, têm pela passividade militante permitido chegar onde se está.

Repórter disse...

Pegando no bla bla bla municipal, ainda que "out off topic"...
E com que ideia terão ficado as gentes do Laranjeiro, com a inauguração no mercado municipal daquela freguesia?
Inaugurado, sim, mas longe de funcionar a 100 %.
Mais uma gargalhada municipal...

Luis Eme disse...

Claro que todos temos culpa, Residente, principalmente aqueles que dizem mal dos governos, locais e centrais, mas que não votam...

Luis Eme disse...

Não faço ideia, Repórter.

Se calhar até bateram palmas...

É assim...

Vasco Pires disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vasco Pires disse...

Por falar em Jardim do Castelo: Recentemente deitaram abaixo a última 'Phytolacca dioica' que havia no concelho, que era um exemplar mais novo (todos nos lembramos da grande que havia no Jardim) mas que tinha um tamanho considerável, estava situada por trás do coreto e estava em óptimo estado.

Estive lá dois dias antes de a deitarem abaixo e como sempre contemplei-a e gozava de uma óptima saúde, confirmada pela frondosa e folhosa copa.

Ainda estou chocado com o acontecimento. No 'buraco' deixado no local onde se encontrava o tronco encontra-se agora um monte de pedras... Uma VERGONHA!!!