domingo, março 11, 2007

Domingo de Sol


A Costa de Caparica recebe milhares de visitantes durante os fins de semana, assim que o Sol começa a sorrir.

A Rua dos Pescadores enche-se, num vai-e-vem de gente, que quer espreitar as ondas do mar. Os mais corajosos descem mesmo à praia. Pisam a areia e experimentam a temperatura da água. Os amantes do "solário" natural, sentam-se e deitam-se nas pedras ou então enchem as esplanadas, à procura de uma cor, para fazer inveja aos colegas na segunda feira...

15 comentários:

Maria disse...

Ainda vai havendo praia por aí?

Maria P. disse...

Certo.
Por lá passei a minha tarde!

Beijinho e boa semana*

residente disse...

O Pôr-do-Sol na Costa de Caparica é de uma grande beleza natural que leva muitas pessoas aos fins de tarde até junto do mar.
Há quem designe o passeio à Costa de Caparica, para dar umas passadas no paredão "o passeio dos tristes".
Isso será devido ao estado de degradação a que autarcas e Governos deixaram chegar aquela vila, hoje cidade?

Luis Eme disse...

Claro Maria...

São muitos quilómetros de areal, até à Fonte da Telha...

Luis Eme disse...

Se calhar cruzámo-nos, à beira mar, Maria P...

Luis Eme disse...

Caro Residente, o passeio pelo paredão da Costa, tanto pode ser dos tristes como dos alegres, depende do estado de espírito de cada um de nós.

Penso que isso não tem nada que ver com a descaracterização tão visível da Costa de Caparica, cujas potencialidades têm sido ignoradas, quer pelos governos locais, quer pelos centrais.

O POLIS da Costa anda a passo de caracol, tal como o MST, infelizmente...

Repórter disse...

Ainda é um passeio engraçado.
Dos tristes, dos alegres, dos assim assim... é um local aprazível, apesar de alguns aspectos menos agradáveis.

O pôr do sol é encantador.

residente disse...

De facto e apesar da degradação que por lá se vê o passeio à beira mar é muito agradável. Eu pessoalmente gosto muito da Costa de Caparica, sobretudo no Inverno, até porque a natureza não é culpada das asneiras dos inteligentes.
Apesar disso não deixa de ser um passeio que incute alguma tristeza em muitos visitantes precisamente pelo estado de conservação da zona envolvente.
Condições naturais temos, mas falta-nos gente com vontade de valorizar o que de bom possuímos.
O MST tal como o POLIS são também negócios enfermando de alguns mesmos vícios e defeitos.
Veja-se o que se está a passar actualmente com o metro e a pretensa construção de habitação social na Mata de Stº António.
A quem interessa estes negócios?
Às populações de Almada e da Costa de Caparica?

Papoila disse...

Eu não estive na Costa para evitar as multidões de pessoas ávidas de sol, no entanto aproveitei o excelente Domingo de Sol para apnhar ar noutra praça desta Cidade, São João Baptista de seu nome. Um espaço também bastante agradável.

Luis Eme disse...

Claro que a natureza não é culpada das nossas asneiras, Residente, é por isso que está a resistir e a revoltar-se... até na nossa Costa de Caparica.

Claro que é triste, vermos umas praias tão bonitas, tão maltratadas e com zonas circundantes tão pouco dignas.

Quem conhece as praias do Sul de Espanha, vê o contrário. Praias sofriveis (água castanha e areia escura...) mas lugares bonitos, sem as monstruosidades lusitanas...

Luis Eme disse...

Dizes bem, Papoila... as multidões de gente à beira mar e a confusão de carros na via rápida, no regresso a casa.

O que vale é que para nós que moramos em Almada, há várias escapatórias...

residente disse...

Caro luis eme, bateu em cheio no exemplo dado.Conheço algumas das praias mediterrânicas de Espanha e quando se olha para esta dádiva da natureza que o concelho de Almada tem na frente atlântica,fico triste pela maneira medíocre como a Costa de Caparica e não só, tem sido tratada e gerida por estes autarcas.
Recordo o que era, vejo o que é actualmente, o que não fizeram na Costa de Caparica e o que poder-se-ia ter feito.
A demagogia barata e a pirotecnia verbal desta autarquia leva-a a fazer a apologia da miséria para garantir uma parte da sua quota eleitoral, porque a outra chega por outras vias : subsídios, dependências económicas, clientela partidária fidelizada, favorecimentos tácitos/"dar o jeito" e o que é muito importante - o alheamento de uma outra parte, os ausentes nas votações e a inércia das oposições.

Luis Eme disse...

Concordo perfeitamente com a sua análise política, Residente.

A incompetência, os muitos interesses, o alheamento, a ausência e a inércia fizeram do nosso concelho algo que só pode orgulhar mentirosos e mediocres.

Rosa dos Ventos disse...

Fico roída de inveja!
Neste domingo de sol fiquei estupidamente e quase desesperadamente a ler e a analisar documentos para a famosa reunião de 2ª onde, depois aparecem, como por magia outros documentos tirados da cartola!
Antes fosse a uma qualquer praia, mesmo a ter de fazer quase 50 km!

Luis Eme disse...

O Sol não é, felizmente, privilégio só dos felizardos que se podem deslocar á beira mar...

Rosa, embora alguns teimosos não gostem nem aceitem, o Sol quando nasce é mesmo para todos... e como sabe bem passear pelos campos, na Primavera...