sábado, junho 30, 2007

A Nossa Opereta Bufa


Onde há um chefe há um potencial angariador de bufos...
Sei do que falo, e ao contrário do que dizem, é uma realidade miserável, que não acabou com o fim da PIDE, após a Revolução de Abril.
Ao longo da minha vida profissional, em aparente liberdade, fui descobrindo gente capaz de tudo, desde que conseguissem ficar melhor na fotografia, que os restantes colegas. Isto só acontecia porque havia um chefe, com a porta aberta, para receber o relatório diário ou semanal das actividades menos visíveis dos seus subordinados.
Claro que mais tarde ou mais cedo estes bufos de quarta categoria eram descobertos e acabavam por cair em desgraça, vitimas do seu jogo duplo. Outros assumiam esta faceta estranha, com vaidade. Estou a lembrar-me de alguém, a quem tratávamos por "varina", e que lhe conseguimos trocar de tal forma as voltas, que o chefe começou a pensar que ele era mais mentiroso que bufo...

Tenho pena que os muitos ministros medíocres deste governo, que gostam de se servir do poder que têm, para demonstrar quem manda, em vez de se preocuparem em corrigir os seus erros, adorem inventar "bodes espiatórios", mesmo que seja em Vieira do Minho.
E são de tal maneira superiores, que nem sequer se esforçam por pedir desculpa ao povo pelas suas alarvidades, nem tão pouco são demitidos...
O curioso é que, com gente desta no governo, Alberto Costa e Augusto Santos Silva, por exemplo, até parecem ministros modelo...

Dali e os seus "Primeiros Dias de Primavera" animam esta prosa quase farta...

15 comentários:

Repórter disse...

Aí está um mini retrato de uma forma de governação inferior.

E é bem verdade que mal vai o governo que tem em Alberto Costa e Augusto Santos Silva uns "ministros modelo".
Têm a vantagem de não falarem muito e de não parecerem tontinhos.

Maria P. disse...

Já começam a ser casos demais. Resta saber até quando estas atitudes fora de tempo!

Beijinho*

Maria disse...

E vem-me à memória uma frase batida: "Não foi para isto que fizemos o 25 de Abril"...

Tens toda a razão, Luís. Só me pergunto aonde vamos parar...

Rosa dos Ventos disse...

É que nem têm sentido de humor...
E não se avizinha uma remodelação!
"Que apagada e vil tristeza..."
Boa semana

Luis Eme disse...

Neste governo o silêncio passa por virtude, Repórter.

O que não deixa de ser sintomático, e até perigoso...

Luis Eme disse...

Mas eles não ficam por aqui, Maria...

Só não percebo se está tudo orquestrado, ou se se trata mesmo de estupidez natural...

Luis Eme disse...

De certeza que não foi, Maria.

É triste e perigoso.

Luis Eme disse...

Um dos problemas é mesmo esse, falta de sentido de humor.

Mas o maior é falta de respeito pelas pessoas e pela democracia, Rosa.

Ana Patudos disse...

E como eu sei do que falas, Luis, sinto isso quase dariamente, em clima de intimidação...
Quando vier outro 25 de Abril , já não será de cravos e canções...
veremos até onde vai o limite do povo português. bjo
Ana Paula

Luis Eme disse...

As coisas estão a ficar estranhas, especialmente na função pública, onde as pessoas se sentiam mais seguras e apreciadas, Ana Paula.

Não percebo como é possível andar um século para trás, ao nível do trabalho. Parece que não se aprendeu nada, o que interessa continua a ser o dinheiro.

É por isso que os ricos são cada vez mais ricos e os pobres mais pobres!

António Reis disse...

nem revolução, nem evolução. Antes pelo contrário.

Luis Eme disse...

É verdade António,é uma verdadeira marcha atrás no tão propagado humanismo.

Vili disse...

Uma empresa sem um bufo é como uma côrte sem bôbo.
Digo eu..

Vili disse...

Uma empresa sem um bufo é como uma côrte sem bôbo.
Digo eu..

Luis Eme disse...

Tens razão Vili.

Apesar de negativo, em alguns casos pode-se inverter a situação e transformá-la em "fait-divers".