quarta-feira, outubro 01, 2008

A Arealva e os Topónimos de Almada

[...] A nossa terra é rica em topónimos singulares, a Quinta da Arealva não foge à regra.
Segundo o historiador, Raul Pereira de Sousa, a sua origem está ligada à praia de areia branca que existia naquele local, da qual hoje só se descobre uma pequena franja na maré baixa, e menos clara.[..]

[...] A Quinta da Arealva era enorme, não se resumia apenas ao espaço rente ao Tejo. As suas terras prolongavam-se até à encosta onde se construiu o monumento ao Cristo Rei. Quando se começou a preparar a sua construção, os Serras venderam aqueles terrenos sem qualquer tipo de discussão e a um preço simbólico. Podemos adiantar que aquela parte da Quinta foi vendida apenas a um escudo por metro quadrado, porque as senhoras da família, eram muito religiosas [...].

Estas transcrições fazem parte de um texto meu, ainda inédito, que irá acompanhar um álbum de fotografia sobre a Quinta da Arealva.

12 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Ainda há senhoras generosas! :-))
Gostaria de saber se a generosidade delas foi além disso...
Abraço

Maria P. disse...

Deve ter recantos belíssimos para fotografar...


Beijos, Luís M.

nabisk disse...

Venha de lá esse álbum o mais rápido possivel sr Luis Eme.
É muito bom se registou a grande indústria que ali havia. Agora nem restos.
Em algumas visitas que por lá fiz, bebi lá bom moscatel.
"Morreu tudo, até as pessoas"

Menina_marota disse...

Vou aguardar!!! E não só por curiosidade...

Um abraço ;))

Luis Eme disse...

não te posso responder, porque não sei, Rosa...

mas espero que sim.

Luis Eme disse...

tem mesmo, M. Maria Maio...

Luis Eme disse...

já esteve mais longe, Nabisk...

Luis Eme disse...

podes aguardar, MM...

Lúcia disse...

Muito, mas muito interessantes esses trabalhos, Levam-nos longe. Que te corra bem, Luís.

Luis Eme disse...

obrigado, Lúcia.

RUY VENTURA disse...

Cuidado que Arealva nada tem a ver nem com areia nem com brancura. É constituído por dois termos: hr (âarâ), monte em fenício; alb- , monte também em indoeuropeu. Isto tem no entanto que confirmar-se com base na observação do terreno.

Luis Eme disse...

obrigado pela dica, Rui.