quarta-feira, setembro 06, 2006

Os Telhados do Ginjal


Quem olhar os Telhados do Ginjal (que talvez sejam de vidro para quem tem passado a vida a atirar pedras aos do vizinho...), pensa várias coisas: quanta incúria; quanto abandono; quanta miséria; e por aí fora...
Mas também pensa no desperdício que por ali vai, quando existe tanta gente no Concelho a fazer cultura com a "casa às costas" e em sitios exiguos.
Espaços grandes, bem situados, que poderiam ser catedrais ao serviço das Artes e dos Ofícios, de uma Almada, que ora se orgulha da sua história fluvial, ora se encolhe e vira as costas ao Rio.
Porque será que os nossos "ministros" locais, fingem esquecer, que o casamento de Cacilhas com o Tejo é coisa milenar, e que só temos a ganhar com o reforço desta união?
Talvez a sabedoria popular possa dar umas dicas:
«Não há pior cego que o que não quer ver.»
«Não há pior surdo que o que não quer ouvir.»

9 comentários:

Costa D'Almada disse...

Esse disco já começa a estar riscado e a fazer uns barulhos esquisitos.
A falta de ideias para as bandas do Ginjal topa-se à légua.

Luis Eme disse...

É a minha última resposta a um seu comentário, porque: «Não há homem sem nome, nem nome sem sobrenome.»

Leo disse...

Luis quando me passeio no Gingal também me interrogo até quando tanto abandono,tanto espaço subaproveitado,quem são então as entidades responsávéis por tanto declínio. Também sonho ver o Gingal com outros aromas paisagísticos.

Luis Eme disse...

Leo, às vezes penso que somos olhados como aquelas «vozes de burro que não chegam ao céu». Mas isso cada vez me incomoda menos, aliás, até faz com que me apeteça ser cada vez mais incómodo.
O mais importante é continuarmos a falar sobre o Ginjal e todas as suas potencialidades, mesmo que isso faça com que algumas pessoas olhem para o céu e para o chão, ignorando a beleza do Tejo e das suas margens.

Alice C. disse...

Apetece-me acrescentar mais um ditado: "Quem não tem vergonha, todo o mundo é seu."

Luis Eme disse...

Pois é Alice, há realmente uma grande falta de vergonha, e essecialmente de respeito, por todos nós que vivemos aqui, nesta "Margem Sul", distante do paraíso que nos querem vender na propaganda gratuita do boletim "Almada", entre outras publicações camarárias.

Minda disse...

A mim parece-me que este abandono deve fazer alguém lucrar, não vejo como mas é impossível que se prefira este abandono vergonhoso a um espaço com qualidade... e a inércia das autarquias (câmara e junta de freguesia é, no mínimo, demasiado... bem digamos chocante para não dizer coisa pior senão os ânimos exaltam-se). E termino dizendo que concordo contigo Luís, obviamente.

Luis Eme disse...

Pois é Minda, o pior é a inércia de que falas, das Autarquias. Já percebi há bastante tempo que os nossos "ministros" locais preferem falar dos projectos que existem no papel - e que nem sequer sei se serão viáveis -, e não dos problemas reais que nos afectam.

Blackbird disse...

Apoiado a 100%!!!!

Abraço!