sábado, abril 12, 2008

As Cidades Estão Tão Diferentes...


Hoje de manhã fui a pé até Cacilhas, de mão dada com a minha filhota, que queria ver os barcos no cais...
A caminhada deu-me que pensar, pois nunca tinha pensado que as mudanças que se têm dado na sociedade, eram tão visíveis nas ruas...
No passeio de ida e volta até ao Largo de Cacilhas, não me cruzei com nenhum pai (ou mãe...) de mão dada com os filhos. Estranhamente ou não, cruzei-me com mais de uma dúzia de pessoas que passeavam os seus cãezinhos, no mesmo percurso...
O mundo está mesmo a mudar. Inclusive as famílias...

24 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Nem toda a gente pode destrutar dessa felicidade...
Filhos já os passeei muito, agora é a vez de ser passeada por aquele que me resta!
Quanto a netos, on verra... ;-))
Aproveita, olha que eles crescem depressa!

Abraço

Dulce Alves disse...

Luís,
isso que fez pela manhã é um verdadeiro luxo nos dias de hoje. Quem dera a muitos pais poder desfrutar mais da vida com os pequenos... Se bem que há outros que, podendo, menosprezam esses escassos momentos de felicidade... :(

Ps - muito querida, a filhota :)

Maria P. disse...

Cada vez são mais raros esses momentos sim, eu não os dispenso e pela manhã, junto ao Tejo ou ao mar como é o meu caso que bem que sabem...

Beijo Luís M.

Ana Patudos disse...

... e está mesmo a mudar a uma velocidade estonteante Luis.
Mas é tão bom passear com os nossos filhotes pela mão, eu faço o mesmo, porque depois que crescem , querem é andar livres que nem passarinhos :))
bjos
Fica bem
Ana Paula

Rui Caetano disse...

Momentos que devem ser preservados e alimentados sempre que possível.

OBSERVADOR disse...

Com as excepções óbvias e que se saúdam, hoje é mais a televisão, a internet, os jogos.

Quanto a mim, cheguei a levar a minha filha a ver os jogos que eu arbitrava. Sabia eu que ela tinha um orgulho enorme por ver o "papel importante" do pai.
Além da companhia, o mais importante.

Mantém a tua atitude, Luis. É salutar.

nabisk disse...

A mim não me parece Cacilhas, mas a intensão não está em causa.

Luis Eme disse...

Claro, Rosa...

mas o que eu queria falar era da diferença que começa a existir na composição da sociedade e das familias...

Luis Eme disse...

Eu sei, Dulce...

eu quis salientar o facto de cada vez existirem menos crianças, porque cada vez é mais dificil educá-las com dignidade... e é isso que explica tudo...

há quarenta anos vivia-se pior, mas era mais fácil ter filhos... porque as familias estavam preparadas para que a mãe ficassem em casa a cuidar delas...

Luis Eme disse...

Pois sabem, M. Maria Maio...

Luis Eme disse...

Sim, qualquer dia, dispensam a companhia, Ana Paula...

Luis Eme disse...

Claro Rui...

Luis Eme disse...

a minha atitude é normal, Observador. O Parque da Paz enche-se de pais e filhos ao fim de semana...

Apenas queria salientar a ausência de crianças nas ruas, e a sua substituição por cachorros, em algumas famílias...

Luis Eme disse...

A fotografia é da Trafaria, Nabisk, como sabes...

No passeio não levei máquina...

Oris disse...

Apesar de gostar muito de animais, não deixo de te dar razão....
Vejo mais pessoas a passearem os cães...

Beijitos

Luis Eme disse...

Os animais são os menos culpados disto tudo, Anoris,

Antes pelo contrário, ainda levam por tabela e são forçosamente "humanizados", perdendo a "liberdade de cão"...

Velas do Tejo disse...

Hoje... e depois de alguns dias duros a terminar projectos decidir dar uma folga, e não trabalhar. Depois de almoço fui com o meu filho ao Núcleo Naval do Ecomuseu do Seixal, vimos e pintamos barcos... comemos um gelado e fomos à exposição "Cortiça ao Milimetro", na Mundet, comemos gomas e fomos para o barco.

O dias de hoje teve uma característica muito igual a todos os outros em que temos programas semelhantes, eu e o meu filho de 4 anos somos sempre os únicos a estar durante horas nestes espaços, para a quais, tirando as escolas que levam as criancinhas, não há pais que até lá se deixem arrastar.

Eu, e o meu filho, gostamos mais de museus que de jardins... é que ao menos lá, não temos de nos preocupar com a merda de cão!

Luis Eme disse...

Não queria ir tão longe, Velas do Tejo"...

Claro que muitos pais passeiam com os filhos, basta visitarmos o Parque da Paz de Almada, para o percebermos.

também é verdade que muitos jardins públicos afastam as crianças, porque as placas que obrigam os cães a circularem de trela e fora das zonas ajardinadas não são cumpridas. E se dizermos alguma coisa aos "donos", ainda nos insultam e perguntam se temos alguma coisa com isso...

claro que temos, o jardim é de todos... mas esta gente que só vê o mundo à sua medida, não percebe isso...

Cris Caetano disse...

Sorte da filhota. :) Eu me lembro que quando pequena gostava muito de passear com meu pai.

Luís, eu passeio muito com o cãozinho e sem criança hehe..tô brincando. Mas me lembro de há anos atrás, em Paris, ter ficado chocada por não ver crianças nas ruas e ver somente cães acompanhados de pessoas.

Beijinho

Luis Eme disse...

O giro é que nunca tinha reparado nisso, Cris...

foi preciso aquela manhã...

vague disse...

Eu adoro andar de mão dada com ela, a minha 'ela'. Aproveito enqto ainda me procura a mão e se deixa abraçar, que eu sei q um dai vou ter saudades disto:)

Não é só o andar de mão dada com ela, é tb o andar a pé, esse hábito q se vai perdendo.

Luis Eme disse...

Eu também gosto disso tudo, da mão dada... de andar a pé...

passear a pé, com tempo, dá-nos uma perspesctiva diferente de tudo o que nos rodeia, vemos mais perto e mais longe, Vague...

vague disse...

Exactamente. Vemos mais perto e mais longe ao andar a pé.
A tua princesa mais pequena faz-me lembrar a minha numa coisa: o narizinho arrebitado, que é marca registada das mulheres da nossa família! :)
e ele ao lado dela é 'ele'? o príncipe? :)

Luis Eme disse...

sim, ele é o meu filhote...