quarta-feira, janeiro 10, 2007

Nostalgia pelos Campos Agricolas


Enquanto os grandes projectos da Almada do futuro não avançam, alguns espaços, quase abandonados, são utilizados por vários almadenses, que sentem uma grande nostalgia pela sua vivência campestre.
Estou a falar dos Morros de Cacilhas (junto ao moinho) e da Margueira (na encosta frente à Lisnave).
As searas destes agricultores urbanos, não variam muito: as batatas, as couves e outros legumes, têm sempre a primazia...
Acredito que o fazem mais por paixão que por necessidade.
Quem já teve o prazer de semear qualquer planta, de a ver nascer e crescer, e depois colher... sabe que fica sempre uma ligação especial a este ciclo de vida, tão simples e tão intenso...

9 comentários:

Anónimo disse...

Será que esses espaços agora agrícolas vão resistir muito tempo à pressão urbanística?

Luis Eme disse...

Em principio sim, pelo menos estes dois morros fazem parte do projectos de Almada Nascente, que se estende até Cacilhas...
Por isso,enquanto eles não sairem do papel, não deverão acontecer mudanças.
Aliás, creio que estes agricultores são uma especie de "ocupas"... mas mais vale estar a ser usado como terra de cultico que de mato, Papoila.

Rosa dos Ventos disse...

Hoje ouvi más notícias sobre as arribas " dessa banda " e pensei logo no Casario do Ginjal! ;((
Um abraço solidário...

Luis Eme disse...

Ouviste notícias sobre a Costa de Caparica e o mar, que de vez em quando lembra-se de marcar o seu território e ganha espaço.
O Tejo como é um rio mais amorável (estou a fingir que me esqueço da zona de Santarém...), não se revolta no Ginjal (se calhar também era necessário...) Rosa dos Ventos...

Ida disse...

Mesmo que seja uma jardineira de varanda, com cebolinho, salsa, boldo, tomate, ou, porque nao, hibiscos vermelhos, e azaleias cor-de-rosa.

Luis Eme disse...

Muito me contas Ida...
porque não?

Alice C. disse...

Tens razão, Luís, há muita nostalgia e também vontade de regressar a casa...

Luis Eme disse...

E muitas vezes, estas pessoas cabam mesmo por regressar a casa, Alice...

Luís Manuel disse...

Nostalgias...