sexta-feira, janeiro 05, 2007

A Estrela de Famoso

A fama continua a ser uma faca de dois gumes, nos dias que correm.
Levantam-se inclusive várias questões. A mais pertinente é: «mas afinal o que é que é isso de se ser famoso?
Não é fácil responder a esta questão, por sabermos que existe quase uma indústria que vive da "invenção" de celebridades instantâneas.
A participação de qualquer "manjerico" num programa televisivo mediocre, é suficiente para que receba a "estrela de famoso" e passe a ser explorado, até ao tutano, pelas produtoras e revistas que se alimentam de banalidades.
Este processo é de tal forma artificial, que assim que estas pessoas começam a perder o brilho, são enviadas à remetência, como se nunca tivessem existido.
Outro aspecto curioso é a forma como esta gente vive os momentos de glamour. Muitos afastam-se dos meios onde cresceram e mudam-se para bairros fantasiosos, como se tivessem nascido de novo.
Felizmente, no meio de toda esta confusão, ainda há quem se torne famoso por ter talento...
Um destes exemplos são os "Gato Fedorento". Começaram a escrever textos, criaram um blogue, iniciaram-se na SIC Radical e só depois é que começaram a ser reconhecidos pelo seu talento.
Este quarteto foi escolhido como exemplo porque fiquei a saber, através de uma conversa com uma amiga, que ela foi colega de escola de Ricardo Araújo Pereira, o "gato" mais famoso do nosso país. Além de ter confirmado que o tipo nessa época já tinha piada e era completamente maluco... alguns professores é que não achavam muita graça, disse que ele não tinha mudado quase nada.
A Marta embora não conheça o seu dia a dia, acha que ele se está borrifando para a fama e continua a relacionar-se com alguns dos seus amigos de infância, até porque precisa de estar em contacto com o mundo, ouvir anedotas e histórias sobre as personagens do nosso país.
Com um sorriso nos lábios, confidenciou-me que o bigode farfalhudo que o Ricardo usa num dos seus bonecos, fica-lhe a matar...
Com isto tudo, ficámos na mesma. «Mas afinal o que é que é isso de se ser famoso?»

19 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Não sei mas gosto de gatos em geral e dos Fedorentos em particular.
Pelo menos por enquanto...

Anónimo disse...

Olá Amigo
Há quanto tempo não nos visitamos, por isso vim aqui e mais uma vez adorei ler seu post.
Aqui no Brasil a prática é a mesma, se matam pela fama, qd a adquirem se tornam estrelas.
Estamos agora tendo q enfrentar o ataque de uma dessas estrelinhas de 5 categoria, q andou se expondo numa praia publica e lotada de gente, foi filmada fazendo o q se deve fazer em 4 parades qd se deseja preservar a privacidade e o filme foi para no YOUTUBE. Estamos agora todos nós brasileiros amercer de uma perua q deseja impedir o site de circular na internet brasileira.
Como vê, no Brasil de hoje, desgovernado por um apedeuta, tudo é possivel.
Um grande abraço e apareça no SôniaSSRJ para um cafézinho.

jcfrancisco disse...

Só uma peqeuna nota pessoal. Há muito tempo, ainda o Gato Fedorento não era famoso jantei na Casa do Ribatejo em Lisboa entre o Raúl Solnado e o Ricardo «gato fedorento». Foi ali que percebi que um estava fora do prazo de validade e que o outro podia ir longe. Não me enganei. Foi uma tertúlia sobre «Humor» com a presença do Luís Fernando Veríssimo, filho do célebre Erico Veríssimo. Organizada pela Dulce Matos.

Anónimo disse...

Ser famoso é ser alguém reconhecido pelos outros. Ser famoso é diferente de se sentir famoso. Ser famoso depende de terceiros. Sentir-se famoso depende da própria pessoa O Ricardo é famoso e já se sente famoso, é dificil lidar com isto.

Anónimo disse...

Luís,

hoje em dia para ser famoso basta entrar num qualquer reality show de duvidosa qualidade/namorar com uma qualquer pseudo-celebridade/ ou fazer qualquer coisa de anormal...

E infelizmente há uma imprensa cor-de-rosa (choque!) que vive explorando pseudo-famosos e pseudo-celebridades... que, verdade seja dita, vende que se farta!

A maioria desses homens e mulheres mal se apercebe da exploração de que são alvo e do 'tratamento que levam'... é que regra geral, passado pouco mais que 15minutos de fama, são recambiados para o seu mundinho original e ninguém se lembra mais deles...

A fama tem essa outra face menos positiva, e quem não souber geri-la com bom senso e ter humildade qb perde mais do que ganha com ela.

Felizmente ainda há famosos despretensiosos como os geniais e inigualáveis gatos fedorentos ;) Esperemos que assim continuem por muitos anos :)

Ela disse...

Ser famoso é pouco mais que aparecer na televisão porque se tem uma cara bonita. Tenho pena!

Maria P. disse...

Ser famoso é uma moda, uma estação, um momento...depois passa.
E vem novo tempo.


Bom fim de semana:)

Ida disse...

Adorei as historinhas em off do Ricardo. Eu adoro os Gatos fedorentos, acho um humor genial, e se ele tava em uma mesa com o Luis F Veríssimo o rapaz é dos bons pois o LFV é um nome sem par no humor brasileiro dos últimos 20 anos e isso não tem nada ver com o fato de ser sobrinho do Érico Veríssimo. Ele escreve crônicas, tem tirinhas, argumentos de filmes, e parece um midas do humor, tudo q toca ou produz é sucesso na certa. E não é dos que se sente, ele é famoso na maior simplicidade.

Mas ser famoso, não tem nada a ver com ter sucesso ou ser bom no que faz, tem a ver com essa máquina midiática que é produto da vulgarização da imprensa e do surgimento da tv. Não é uma crítica, tudo tem vários lados, e o culto dos famosos faz parte disso.

Beijos pra ti, Luís.

Anónimo disse...

E famoso onde, Luís?
Famoso neste rectângulo que é Portugal, famoso na Europa, famoso a nível mundial?

Com todo o respeito pelo trabalho de cada um, daqui a 100 anos quem sabe, em termos históricos, quem foram os Gato Fedorento? O que é que eles fizeram de tão importante?

Para mim famoso é alguém que faz alguma coisa de importante para benefício da Humanidade, a nível cultural, científico, político, ou qualquer outro, num contexto muito mais amplo do que apenas o que se passa por aqui.

Vou levar tareia, mas é o que eu penso.

Luis Eme disse...

Também gosto de gatos, Rosa dos Ventos. Dos verdadeiros porque são misteriosos e bonitos, dos fedorentos porque são espertalhaços e têm graça.

Luis Eme disse...

Sómia, as coisas são cada vez mais iguais em todos os cantos do mundo, com a "famosa" globalização.

Vou aceitar o convite para um cafézinho...

Luis Eme disse...

O tempo não perdoa Zé do Carmo.
Mais tarde ou mais cedo, também o Ricardo ficará fora do prazo da validade...

Luis Eme disse...

O problema Nuno, é que muitas vezes os "famosos" são impostos, mesmo sem serem reconhecidos como tal. Especialmente pela televisão.
Concordo que não só é dificil, como também é diferente, ser-se e sentir-se "famoso".

Luis Eme disse...

Tens toda a razão Dulce, há uma imprensa que se alimenta da futilidade e gosta de despertar o que existe de pior em nós, quando quase nos impõe a curiosidade de espreitarmos a vida dos outros (com capas e títulos que não nos deixam indiferentes...).
Pudemos não comprar, mas quando vamos ao dentista ou ao barbeiro/ cabeleireiro, damos sempre uma vista de olhos, a estas revistas mais "amareladas" que cor de rosa.

Como tu dizes, há muita gente que acaba por perder mais do que o que ganha, por não ter os pés nem assentes no chão.

Luis Eme disse...

É pena que ser "famoso" seja também o facto de se ter uma cara bonita e de se namorar a "lecas" ou o "licas"... mesmo que seja tudo mentira...

Luis Eme disse...

Excelente capacidade de sintese, Maria P.
É pena que esse novo tempo não chegue logo...

Luis Eme disse...

O pior de tudo, Ida, é o facto de se ser "famoso", ter deixado de ser sinónimo, de se ser bom em alguma coisa, como tu muito bem referes.
A tal indústria alimenta-se (com voracidade) de quem gosta e quer aparecer... pelas razões mais parvas e insignificantes, como todos nós sabemos.

Luis Eme disse...

O problema nem está nos "gatos fedorentos", porque eles têm graça e valor. Apareceram na riblata fruto do seu talento e trabalho Maria.
O problema são os outros, que cairam de qualquer "nuvem passageira", e receberam a "estrela de famoso", por razões que ninguém conhece.
Concordo contigo na definição que dás, embora trocasse a palavra "famoso" por "importante".

Não levas tareia que eu não deixo... o mais importante é dizermos o que pensamos, mesmo que não agrade a "gregos" e a "troianos".

Ida disse...

Olha, ia enviar-te o ficheiro mp3, mas nao ha hipótese, tens apenas um no-reply como remetente. Se quiseres, manda dizer pra onde. Acabo d e ouvir, o som é meio blues, um encanto.