quarta-feira, abril 08, 2009

Um Comunista Inflexível

Embora não possa confirmar a veracidade da história (foi-me contada à mesa do café, sem nomes...), não deixa de ser curiosa.

Contaram-me que um militante comunista, pai de um trabalhador "precário e inflexível", tinha dado um prazo ao Município para resolver a situação de trabalho do filho (dois anos). Como não tomaram qualquer posição durante vinte e quatro meses, este entregou o cartão de militante na concelhia.
Acrescentaram ainda que o filho se mantém na mesma situação, que pelo menos não tinha sido despedido...
O episódio pode e deve ter várias leituras: a Autarquia pode se ter defendido, para não ser acusada de passar ao quadro apenas militantes do PCP ou familiares destes; o militante pode ser insignificante para os seus camaradas...
Uma coisa é certa, Isto de se andar "descalço", mesmo com cartão, tem que se lhe diga...

10 comentários:

Maria P. disse...

Se descobrem os cafés que tu frequentas!...:)

Beijos, Luís M.

Cris Caetano disse...

Estou totalmente inclinada à segunda opção. ;)

Beijinhos

Observador disse...

Não me inclino para lado nenhum.
A realidade vivida permite-me ter outra visão das coisas.

Se me permitem, fico por aqui.

Boa Páscoa

Rosa dos Ventos disse...

Infelizmente o desespero leva a tudo!

Abraço

samuel disse...

É... não ter conseguido servir-se do cartão para benefício próprio, foi uma boa "razão" para o devolver!
Sempre houve gente assim...

Abraço

Luis Eme disse...

é fácil, gosto de poisos fixos, M. Maria Maio...

Luis Eme disse...

não sei, Cris. até poder ser uma terceira ou quarta. pode ter sido o abano fatal no copo, cheio de água...

Luis Eme disse...

acredito, Observador.

Luis Eme disse...

claro, Rosa. as portas vão-se fechando e nós batemos algumas com força, para não darmos o prazer a alguém de a nos fechar na cara.

Luis Eme disse...

pode ter sido, Samuel.

embora isso seja normal no nosso país. todos sabemos que há quem se filie em partidos apenas para retirar devidendos...