sexta-feira, janeiro 04, 2008

As Bicicletas Vão Continuar na Garagem


As obras e o próprio planeamento do Metro têm sido alvo de muitas criticas. Infelizmente, grande parte delas fazem todo o sentido.
Um dos aspectos que me merece um maior reparo, é a ausência de ciclovias no coração da cidade, principalmente, quando se o utiliza o Metro com "arma", para se afastarem os carros de Almada e se fazem obras em toda a pavimentação das principais artérias, alargando os passeios, de uma forma aparentemente excessiva...
Hoje - e amanhã, claro -, quem quiser sair de bicicleta de casa, em segurança, terá de continuar a usar o carro como meio de transporte, levando-a no "tejadilho", até ao Parque da Paz ou até ao Monte de Caparica, únicos locais onde existem ciclovias que permitem que os almadenses circulem em segurança.
Não é preciso ser muito inteligente para perceber que com a construção de ciclovias, promove-se o exercício físico, poupa-se energia e reduz-se a poluição na atmosfera.
Além das brechas já referidas, continuo à espera que aproveitem a larga avenida Aliança Povo-MFA (Bombeiros Voluntários de Cacilhas) para fazerem a ligação da Cova da Piedade ao Olho de Boi, através de uma ciclovia e de um caminho pedestre, assim como a via rápida, entre Almada e Costa de Caparica...
Pode ser que se lembrem da ideia, quanto mais não seja para a colocar no habitual caderno de promessas que invade as nossas caixas do correio, antes das eleições...

A fotografia é do final do século XIX, de autor desconhecido...

6 comentários:

Maria P. disse...

Se for obra-dá-votos, acontece...

Bom fim-de-semana*

Repórter disse...

Ciclovias? Onde,onde?

É engraçado chamar aqui um pormenor.
Na festa de Natal dos trabalhadores da autarquia, foi dada uma bicicleta aos filhos dos mesmos com 12 anos.
Para que servirá a dita?
Para fazer com que os jovens arrisquem andar por zonas impróprias para ciclismo ou terá sido um recado do tipo "esperem sentados" que as ciclovias já vêm?

Luis Eme disse...

Não se faz mas vai para o folheto de promessas, Maria P...

Luis Eme disse...

Essa da bicicleta como presente, é quase anedótica, Repórter, na situação actual...

Ricardo disse...

E a julgar pelas constantes reportagens no boletim municipal sobre a actividade dos técnicos da CMA num projecto europeu de mobilidade e ciclovias, a esta altura Almada já devia estar pejada de urban bikes.

Nem sequer uma passagem aérea entre centro-sul e parque da paz existe, ou por outra, existe mas com escadas quando deveria existir com rampa para que não fosse necessário levar as bicicletas no tejadilho para um passeio.

Luis Eme disse...

É a nossa triste realidade, tão distante da propaganda veiculada, pelo Municipio, Ricardo...