domingo, novembro 04, 2007

A Princesa do Tejo

Gosto bastante da Trafaria.
Acho mesmo que não me importava de viver nesta vila do concelho de Almada, ancorada rente ao Tejo.
Apesar do abandono a que tem sido votada nas últimas décadas - parece que parou no tempo -, transpira tranquilidade.
Além de ter restaurantes óptimos, possui uma atmosfera artesanal muito própria, ligada ao mundo da pesca. Todos aqueles pequenos barcos estacionados rente à praia, assim como os que se amontoam no areal sujo, de tantas cores e nomes de baptismo, dão uma beleza especial a este lugar.
Quem diria, nem mesmo o abandono e a falta de limpeza da areia da praia, que já foi das mais concorridas e chiques da área de Lisboa (na primeira metade do século XX), retiram beleza a esta "Princesa (do Tejo) da Adiça"...
Além do excelente repasto que me foi servido - massada de peixe e marisco -, soube-me bem ter passado um pedaço da tarde solarenta de ontem, nesta terra cheia de potencialidades turísticas...

12 comentários:

Teresa David disse...

Também acho que a Trafaria é linda. E apesar de tudo levou já umas certas melhorias. Lembro na infância, quando vivia em Lisboa, de ir com o meu pai apanhar um barco a Belém para irmos lanchar á Trafaria. Para mim era quase um cruzeiro!
Ultimamente não tenho ido mto até lá pois o dinheiro para jantar fora cada vez é mais escasso!
Bjs e bom Domingo
TD

Maçã de Junho disse...

Reconheço a estranha atmosfera, chamo-lhe "terras do antigamente" com se existisse uma roupa feita de trapos velhos que não se despe. É uma paisagem ruidosa, que, mesmo de dentro desses restaurante que contribuem para aquecer alguns corações, não me acalma... Talvez seja única, talvez seja bela, talvez seja dos meus olhos, mas é bom ver as coisas de outros ângulos.. os teus!

E de link em link, como de pedra em pedra de constroem pontes que nos dão essa passagem para os outros ângulos.

Bom Domingo
maçã de Junho

Ana Patudos disse...

Ai a Trafaria...
Tenho uma saudade imensa de ir lá .
A última vez que a visitei, estava tão diferente, quase nem a reconhecia. Era tudo tão movimentado, muitos veraneantes a apanharem o autocarro para a Costa e para a praia do Rei ou da Rainha...
As almoçaradas no pinhal , as sardinhadas, que delícia!
É bom lembrar. Obrigado Luis por me fazeres viajar um pouco no tempo.
bjos
Ana Paula

Rita de Matos Oliveira disse...

É um sítio cheio de potencial, mas completamente deixado ao abandono.

Faz falta quem pegue na Trafaria e lhe devolva vida e dinamismo!

Berta Helena disse...

Não conheço a Trafaria e fico com pena. Sabes, o teu texto faz mesmo sentir vontade de a conhecer, as imagens que transmites - por palavras - são bem bonitas.

redonda disse...

Depois de ler este texto, fiquei com vontade de ir conhecer...:)

Luis Eme disse...

Vai lá só passear e tirar fotografias às barcas na praia, Teresa.

Aproveita estes dias de sol.

Luis Eme disse...

Olá "maçã" (nunca pensei chamar isto a ninguém...),

Gostei de te ver por cá...

Luis Eme disse...

Quando vieres à Capital, faz o tal "cruzeiro", entre Belém e a Trafaria.

De certeza que vais adorar, Ana Paula...

Luis Eme disse...

Se faz Rita...

Nunca percebi este esquecimento...

O dinheiro não explica tudo...

Luis Eme disse...

Quando vieres ao "continente", coloca no programa uma viagem entre Belém e a Trafaria e vais adorar Berta...

até os cacilheiros são mais antigos, mais tipicos...

Luis Eme disse...

Vem conhecer Redonda, vais adorar...

Então a praia e os barcos, apesar da falta de limpeza, têm nomes e cores lindos...