terça-feira, fevereiro 27, 2007

Os Vapores do Tejo


Embora nos nossos dias, possa ser "politicamente incorrecto", dizer que os vapores a rodas davam uma beleza especial ao Tejo - graças aos gases que libertavam na atmosfera -, não há qualquer dúvida que eram, no mínimo diferentes, como o "Vapor Progresso" de 1862, segundo cacilheiro da frota de Frederico Guilherme Burnay, que podemos ver, na excelente aguarela de Rodrigo Bettencourt da Câmara.

11 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Assim a aguarela até nem poluem nada e lembram tempos diferentes, mais calmos. :))

Reporter disse...

Esta imagem faz-me sentir saudades dos tempos que não vivi.

Ana Patudos disse...

Recordo com alguma saudade quando apanhava o cacilheiro para a Trafaria, no meu tempo de infância e adoleccência. Passava as minhas férias de Verão na Costa da Caparica que hoje em dia está cheia de problemas ambientais e não só...
abraço
Ana Paula

Ana Patudos disse...

emendo: adolescência

Luis Eme disse...

Tens toda a razão, Rosa. Só a aguarela, em si, é apenas arte... e beleza.

Luis Eme disse...

Também a mim Repórter.

Aliás, vapores com rodas, só conheço os da "Eurodisney"...

Luis Eme disse...

Deviam ser viagens especiais...

Por falares nas viagens para a praia Ana, lembrei-me de quando apanhava o "comboio-correio" nas Caldas para Salir de Porto, a caminho da praia também...

isabel victor disse...

Digo o mesmo dos " Citroen dois cavalos " e os " carochas ", também deixam saudades apesar de serem impróprios para o ambiente (segundo me explicaram, acho que libertavam muitos gases). O meu primeiro carro foi um Renault 4L e também me deixou saudades, com aquelas mudanças ...

Bem, mas eu vim agora aqui por outra razão _______________


Oh, Luís éme ! Que boa companhia me tens feito ...

e os parabéns (mesmo a caminho de Março) ainda vêm muito a tempo.

Beijo de final de festa*

(ainda aqui tens bolo e champanhe, fica mais um pouco ...)

Luis Eme disse...

Não deixa de ser curioso, tive uma namorada há muitos anos, chamada Isabel, que também tinha uma 4L (do pai, claro...), com aquelas mudanças de mão...

o bolo estava delicioso...

Alice C. disse...

São uns barcos muito bonitos, com rodas, e que nos habituámos a ver no cinema, a descerem o Misissipi.

Nessa altura, se calhar ainda nem existia a palavra poluição, Luís!

Luis Eme disse...

Provavelmente não existia mesmo a palavra "poluição", Alice.