domingo, fevereiro 11, 2007

«Já Foste às Grávidas?»


Eu sei que as expressões valem o que valem...

Mas há frases que merecem ser partilhadas, especialmente pela sua singularidade, como a que dá título a este "post", escutada nas ruas de Almada, poucos minutos depois de ter votado para o Referendo.

Foi por isso que resolvi escrever este pequeno texto com a questão lançada por um sexagenário, a outro companheiro, com quem, se cruzou: «Já foste às grávidas?».

Esbocei um sorriso, pela forma, aparentemente simples, como este homem reduziu a consulta popular da despenalização do aborto e da opção da mulher, em poder escolher, se tem ou não condições para ser mãe, até às dez semanas.

Claro que esta questão pode e deve ter várias interpretações...
Este texto é acompanhado pelo bonito óleo, "Sol da Manhã", do almadense Albino Moura.

15 comentários:

isabel victor disse...

Essa t`á boa !

Até logo ...

Alice C. disse...

Há cada "inventor" de frases...

pobres grávidas!

Debaixo do Bulcão disse...

E finalmente o bom povo português acertou uma! Digo eu... (António Vitorino) depois de saber o resultado do referendo.

Ida disse...

Rolei de rir! Porque ao ler o título, sem ter lido o post, podes bem imaginar a minha interpretação imediata, achei q vinha algo, assim, mais picante. Já passaram do tempo da adaptação, os velhinhos, perdoa-se.

O que interessa mesmo é que a luz venceu a escuridão e na esteira dos passeios vim dar com este casario que há muito eu não visitava. Tá óptimo, por aqui.
Beijos!

Ida disse...

A propósito, adorei o óleo. Depois de comentar fui ver o autor, só para confirmar, pensava que era Botero... mas é um português! Lindo!

Isabela disse...

Até parece que eles não têm intervenção nenhuma na gravidez, que elas fazem aquilo sozinhas. As grávidas! Não é com eles, mais uma vez.

Maria P. disse...

"Eu sei que as expressões valem o que valem..."

Luís esta tua frase diz tudo, mas que este assunto foi encarado de uma forma absurda por alguns, isso foi.

Boa semana*

Luis Eme disse...

Às vezes acontece estarmos no sitio certo para escutarmos, frases destas, Isabel.

Luis Eme disse...

Não diria pobres grávidas...

Há sim uma simplicidade, e até ligeireza de palavras, Alice.

Só as mulheres grávidas podem abortar, pelo que...

Luis Eme disse...

Acertou, embora a maior parte, ficasse em casa, talvez à espera que a banda passasse, Vitorino.

Luis Eme disse...

Pois, a frase pode ser enganadora. Sabe-se lá, se eles teriam outra coisa em mente...

Nem sequer tinha pensado, na possibilidade de existir um "bordel" de grávidas em Almada, Ida.

O que me foste lembrar...

Luis Eme disse...

Os "teus homens" são assim, Isabela, metem as mãos nos bolsos e ficam à espera que aconteça qualquer coisa...

Luis Eme disse...

Tenho estado a brincar com a situação, mas esta campanha foi um bocado rasca demais...

Os senhores Marcelo, Neves, Félix, bem acompanhados pelas donas Laurinda, Matilde, Maria José, e claro com uma guarda de honra de peso, cheia de bispos, padres, e até do cardeal... dizeram coisas de bradar aos céus.

O melhor da campanha foi o aproveitamento que os "Gatos" fizeram de sua sumidade, o professor Martelo, que apesar de ter sido "despido" em público, não vai parar de ziguezaguear... porque só sabe andar desta maneira...

Ida disse...

Sabes, Luís,
só um senão, tentei colocar o link diretamente para este post, mas não aquela coisa de "links para este post" ou coisa q o valha para eu fazer o link certinho. Ou será que não procurei com olhos de ver? Diz-me Ok? Beijos

Luis Eme disse...

Penso que o problema deve ter sido de não teres colocado também o título do "post", depois do endereço do blogue, Ida.