terça-feira, novembro 14, 2006

Nevoeiro no Ginjal


Pois é, parece que o nevoeiro veio para ficar, para as bandas do Ginjal...
Dias como o de hoje, com neblina de manhã à noite, são raros. Normalmente quando se aproxima a hora do almoço, o Sol enche-se de brio e expulsa o nevoeiro para longe... Depois brilha com mais intensidade, como se gritasse vitória perante o "feitiço" cinzento...
Quem costumava aproveitar estes dias fechados era o meu amigo Fernando, quanto ainda tinha a sua ourivesaria em Cacilhas. Pegava na máquina fotográfica e saia para a rua, na direcção do Cais do Ginjal, à procura de bons motivos para disparar a sua "reflex", agradecido pelos "efeitos especiais" destes dias mais sonoros, graças às buzinadelas de aviso dos Cacilheiros - ainda sem radar- durante as travessias do Tejo...

12 comentários:

Luis Eme disse...

Quem teve de sair de casa cedo como eu, além do nevoeiro, levou também com muita humidade.
Estes dias são esquisitos e deixam-nos esquisitos, Luís.
A fotografia foi bem escolhida.

mfc disse...

O nevoeiro mói-nos os ossos, mas deu uma foto excelente.

Luis Eme disse...

Tens razão Alice,estes dias são no minimo estranhos... embora exista alguma magia no nevoeiro (não, não tem nada a ver com o D. Sebastião...), quase cinematográfica.

Luis Eme disse...

Nem tudo é mau no nevoeiro, MFC... até podemos tirar uns "retratos", impossíveis noutros dias...

Ida disse...

Eu amei a foto, pois tenho uma queda irresistível pelos dias de nevoeiro. Aqui, onde estou agora, nas raras vezes em que temos algum, dizemos logo: "até parece o Porto", por razões óbvias que quem conhece aquela cidade de granito entende. Mas, claro, as zonas de beira rio todas oferecem espetáculo semelhante.

Há, sim, um mistério, e o fato de andarmos encolhidos dentro dos casacos e de só lançarmos olhares de viés para tudo, contribui para a sensação.

Gostei muito, também, do teu texto, e da maneira simples e sintética como descreves a sucessão de nevoeiro e sol.

Last but not least, tinha um amigo muito querido na zona de Cacilhas e há muito muito tempo não lia nem ouvia esse nome.

A tua visita foi um presente inesperado e bem vindo!

Rosa dos Ventos disse...

Por aqui pela serra também está nevoeiro mas esse feitiço cinzento só existe à beira d´água!

Papoila disse...

Realmente ontem foi um dia estranho, ainda por cima quando não se está muito habituada ao nevoeiro. Como uma almadense de acolhimento, estava habituada oa meu Alentejo, mais seco e menos húmido, onde os momentos de nevoeiro se resumiam a poucas horas do início do dia.

Luis Eme disse...

Os dias de nevoeiro possuem algum mistério e prestam-se a boas fotografias, porque deixam algo por revelar...
Cacilhas e o Tejo, de vez em quanto ficam assim, Ida.

Luis Eme disse...

O nevoeiro na serra é realmente diferente, "Rosa dos Ventos", parece mais fatiado e não é tão envolvente.

Luis Eme disse...

Quem diria "Papoila", que depois do nevoeiro vinha um dia invernoso como o de hoje, com bastante chuva e vento...

Cruzeiro disse...

Vim agradecer e retribuir a visita e deparo-me com uma foto lindissima duma zona que tão bem conheço...o ginjal...
Durante anos foi local de passeio para mim, o meu avó paterno tinha uma "tasquinha" aí.
Bons tempos, felizes recordações da minha infancia...
Ontem foi de facto um dia estranho, às 6h30m da tarde, não se via um palmo á frente do nariz na Ponte 25 de Abril.
E hoje idem aspas, desta vez não por causa do nevoeiro, mas por causa da chuva e do vento...
Boa semana

Luis Eme disse...

Ainda bem que conheces o Ginjal dos seus bons tempos, "Cruzeiro", onde guardas felizes recordações da infancia.
É mais fácil de perceberes o que lhe têm feito, nos últimos anos.
Boa semana também e obrigado pela visita.