sexta-feira, maio 04, 2007

A Praia das Lavadeiras


Hoje tive o prazer de ver algumas fotografias antigas de Cacilhas, da autoria de um grande amigo, cacilhense de gema, que é o que se poderá chamar, um "renascentista" da cultura.
Estou a falar de Fernando Barão, Poeta, Escritor, Fotógrafo, Actor... além de ser uma das grandes referências do Associativismo do concelho de Almada.
Nesta fotografia dos anos cinquenta, descobrimos uma mulher a executar a tarefa que popularizou esta praia, junto a um poço natural, rodeada de alguidares com roupa branca. Uns metros mais à frente, encontramos alguma roupa estendida na areia a secar.

Nos edifícios que se vêem ao fundo existem hoje dois bons restaurantes, o "Atira-te ao Rio" e o "Ponto Final", que continuam a cativar turistas, apesar do abandono que tanto tem prejudicado o Ginjal...

26 comentários:

inominável disse...

que imagem bonita... um passado ainda tão perto do presente mas simbolicamente tão afastado...

Maria P. disse...

Esta imagem também vale por dez mil palavras...

Um abraço*


(que café?!)

Repórter disse...

Que imagem...
E por que será que sempre que oiço falar de/leio Fernando Barão, me vem à memória outro enorme almadense de nome Henrique Mota (pai)? Este, já falecido mas inexquecível.
Talvez por serem dois exímios almadenses.

Maria disse...

Nunca imaginei que uma fotografia como esta viesse a dar origem, anos depois, ao Atira-te ao Rio e ao Ponto Final.
Dá que pensar, caramba!

isabel victor disse...

Olha que coisa mais linda ...
Mais cheia de graça ...

Bela paisagem ! O que teria sido a vida dessa mulher ? Terá deixado descendentes por aí ? O reumatismo é que era o pior ... lavar roupa à mão era trabalho penoso.

As pessoas e as paisagens ...
Tanto para dizer, tanto por saber ...

Abraço ao Luís Éme
da isabel do caderno

Luis Eme disse...

Podes crer... tudo mudou, em menos de cinquenta anos...

E ainda bem (pelo menos neste caso) Inominável!

Luis Eme disse...

Vale umas quantas, não sei se chega às dez mil, Maria...

(O Café? Pois, apeteceu-me um café, ao anoitecer... foi só isso)

Luis Eme disse...

É isso mesmo, por serem dois grandes Cacilhenses (e almadenses) e dois grandes amigos pela vida fora, Repórter.

Almada deve muito da sua história recente a estes dois grandes escritores.

Luis Eme disse...

Maria, não creio que fosse a fotografia... foi sim a beleza natural da praia das lavadeiras (apesar da sujidade, que felizmente já não tem nada a ver com há dez anos atrás, por exemplo) que deve ter estimulado os donos destes restaurantes, a fixarem-se, por ali, quase na terra de ninguém...

Luis Eme disse...

Perguntas bem Isabel... não faço ideia, e se calhar o autor também não.

Mas de certeza que deixou descendentes, pela quantidade de roupa que lavava...

Gostei da tua frase:
«As pessoas e as paisagens,
tant para dizer, tanto por saber...»

Minda disse...

Amigo Luís. Há quanto tempo não passava por cá...
E que bela prenda esta para quem regressa de uma longa ausência.
Linda esta fotografia do Fernando Barão. Que nostalgia ela nos transmite...
Não sei bem porquê fez-me lembrar o Romeu Correia (ou talvez saiba) e as histórias dos seus livros passadas no Ginjal.
Que tristeza ver aquele espaço tão bonito, com uma paisagem fabulosa e um património histórico-social tão rico, assim degradado.
Um resto de bom fim-de-semana.
Bjs

Leo disse...

Olá Luís.Que imagem magnífica, embora represente uma vida dura.
Ainda bem que inventaram as máquinas de lavar...ressalvando os povos que continuam a lavar à mão,num charco com as águas da chuva.
Bom domingo

Rosa dos Ventos disse...

Tive o privilégio de almoçar à beira do Tejo, do lado de cá!
Lembrei-me de ti quando avistei, ao longe, o teu "casario"!
Um abraço

Alice C. disse...

Podes dar os parabéns ao Fernando Barão, Luís, pois a fotografia está muito bem conseguida.

Luis Eme disse...

Tens razão Minda, a foto leva-nos para vários caminhos, trilhados pelo Romeu, pelo Fernando e por milhares de almadenses... porque neste tempo a Praia das Lavadeiras era também a praia da muidagem de Cacilhas...

Luis Eme disse...

Tens razão, Leo, esta imagem, além da beleza, simboliza mais coisas, como a vida dificil das mulheres da vila de Almada...

E lembra-nos, como dizes muito bem, que a máquina de lavar roupa foi uma grande invenção...

Luis Eme disse...

Sabe sempre bem almoçar e olhar o Tejo...

Lembranças do lado de cá, Rosa.

Luis Eme disse...

Eu dou Alice...

Maria P. disse...

Então a Casa é tua, sempre que te apetecer um café.

Boa semana Luís*

dulce disse...

Bem me parecia q aquelas esquinas me eram familiares !!!
Beijos para ti e obrigada pelas visitas

Blackbird disse...

Linda fotografia carregada de história....

Obrigado por mostrares esta bela foto!!!

Luis Eme disse...

Depende das tuas escolhas, da atmosfera que crias, Maria...

Luis Eme disse...

Pois são, bem familiares, já não aparecem por lá é lavadeiras, Dulce...

Também se aparecessem nos nossos dias, a roupa ficava tudo menos branca...

Luis Eme disse...

Pois é, Blackbird...

É sempre um prazer divulgar estas belezas da nossa terra.

alice disse...

este post trouxe-me de imediato à memória as lavadeiras dos maias de eça de queirós, onde ele faz assim uma referência à minha cidade. a fotografia... vou roubar ;))) bom dia, luís. um grande beijinho.

Luis Eme disse...

Podes levar, esta e outras imagens.

Acho que a partilha, é das melhores coisas da blogosfera, Alice.