sexta-feira, junho 02, 2006

O Ginjal na Literatura I



« [...] Quis recordar-se da sua primeira visita ao Oceano Atlântico, não conseguiu qualquer imagem. Devia ser demasiado pequeno. Ter vivido sempre paredes-meias com o Tejo não ajudou muito, o rio foi o seu primeiro mar. Dava grandes passeios com o avô pela estrada marginal do Ginjal. O velho Vasco Gama falava-lhe do tempo dos golfinhos e dos homens que nadavam até Lisboa. Os seus olhos brilhavam quase encantados, seguindo o voo das gaivotas e escutando aquelas palavras mágicas, acompanhadas pelo marulho leve das águas que lavavam as paredes da pedra do cais e eram mais que música de fundo [...].»

In "Bilhete para a Violência", de Luís Alves Milheiro

1 comentário:

A.A disse...

Bonitas estas tuas palavras. Trazem-me recordações do cais do Ginjal e das suas praias. Um livro muito interessante, que eu já tive o prazer de ler.