sexta-feira, setembro 09, 2022

As Obras de Fachada e as Pessoas...

Quando estava a escrever o texto de ontem, dei por mim a pensar que nos últimos 30 an0s, a maior parte dos investimentos foram feitos em infraestruturas físicas e não nas pessoas.

E o mais grave é que se construíram autoestradas, pavilhões, piscinas ou grandes auditórios (um pouco por todo o país...) sem que os autarcas deste país, se dessem ao trabalho de pensar, se eram de facto, estes os bens que as populações necessitavam.

Em muitos casos, não eram. Há vários exemplos, de Norte a Sul, de autoestradas com poucos carros, pavilhões quase sem clubes e atletas, piscinas sem água e abandonadas,  e grandes auditórios com mais pó que público...

Posso falar do caso concreto de Almada, em que o Município teve a vaidade (e veleidade...) de construir pavilhões e piscinas em todas as freguesias. Apesar de toda esta oferta, a realidade sobrepõe-se sempre aos sonhos e fantasias... Apesar das condições de excelência, hoje existem menos clubes e menos atletas no Concelho a fazerem desporto, que há vinte anos.

Sei que é a obra física que fica para a posterioridade, mas teria sido muito mais útil, e menos dispendioso, se a aposta feita no betão tivesse sido também canalizada para as pessoas. Acredito que se tivesse sido oferecido o apoio técnico e material necessário aos clubes, que sempre substituíram o Estado no desenvolvimento desportivo das crianças e jovens deste país, hoje havia mais gente a praticar desporto no país inteiro.

Texto publicado inicialmente no "Largo da Memória".

(Fotografia de Luís Eme - Almada)


Sem comentários: