sábado, junho 18, 2022

Ainda não Consegui Perceber...


Ainda não consegui perceber, mas também não perguntei a ninguém, que "coisa" é aquela que "cresceu" rente ao Tejo, quase mesmo ao lado dos espaços museológicos ligados à Marinha (Fragata D. Fernando II e Glória e Submarino...).

Mas faz-me confusão este quase "vale tudo", da governação socialista, em que nem a beira-rio está preservada.

Já tinha falado do regresso da indústria automóvel ao centro da cidade, que anos antes fora sendo afastada pela CDU, para a zona industrial... E agora aparece este "barracão" de dimensões consideráveis, mesmo em frente ao Canecão, com mais que vista para o Tejo (até tem praia...).

(Fotografias de Luís Eme - Cacilhas)


domingo, maio 22, 2022

"Santa Engrácia" no Largo de Cacilhas


Tenho evitado escrever aqui no "Casario", porque são tantas as coisas negativas que há para dizer, sobre um Concelho, que parece andar em "marcha-atrás", há pelo menos meia-dúzia de anos, que prefiro fazer outras coisas. Até me pergunto se não será apenas má vontade da minha parte. 

Mas não, não é. Quando palavras como abandono, destruição ou desleixo, podem ser usadas para caracterizar muitos dos lugares públicos por onde passo quase diariamente, fica quase tudo dito...



Faz-me no mínimo confusão que as pessoas que habitam em Almada, que pagam os impostos e as contribuições que sustentam o poder autárquico, sejam tão maltratadas pelos políticos locais, com a complacência e o silêncio das oposições.

São muitos os exemplos que poderei dar. Mas vou fixar-me apenas no Largo de Cacilhas, cujas obras de beneficiação se prolongam no tempo (já passaram pelo menos 14 meses...) e nos fazem lembrar a famosa "Santa Engrácia", pois não se vê fim à vista.

Provavelmente os políticos quando mandam fazer este género de obras, que tantos transtornos causam diariamente, devem fugir a sete pés destes lugares. Preferem comer um bom marisco num lugar mais aprazível ao pó que circula no Largo do Alex e imediações. Mas deviam ser eles a utilizar diariamente os transportes públicos, cujas paragens vão saltitando de lugar, assim como os acesso às ruas limítrofes. 

Não sei se os comerciantes da restauração beneficiam de algum apoio pecuniário (estranho bastante o seu silêncio, que normalmente tem "preço"...), porque também eles são afetados por toda esta confusão diária, que por mais exótica que possa parecer aos turistas, que estão e volta, pois está longe de ser um bom "cartão de visita".

O pior de tudo, é não se ver qualquer sinal da partida de "Santa Engrácia" de Cacilhas, apesar de estarmos no século XXI.

(Fotografias de Luís Eme - Cacilhas)

quarta-feira, maio 11, 2022

Coisas da Toponímia Almadense (um)


Sei que não se trata de uma história virgem da toponímia almadense, esta placa de uma rua da freguesia da Sobreda de Caparica (próximo da piscina municipal), mas podia ser perfeitamente evitável, se as pessoas que escolhem os nomes das ruas, metem-se de uma vez por todas nas suas cabeçinhas, que há nomes que não podem ser abreviados ou reduzidos. 

E se se tratar de um artista ou literato, corre-se o risco de deixar as pessoas a pensarem que até poderá "ser outra pessoa"...

Pois é, não existe nenhum poeta chamado António Lisboa, nascido em 1928 e falecido em 1953. Existe sim António Maria Lisboa, poeta surrealista, que nos deixou com apenas 25 anos de idade e que foi considerado por Mário Cesariny e Luiz Pacheco, um dos nossos grandes poetas surrealistas, apesar de ter deixado uma obra reduzida (Mário Cesariny organizou "Poesia", uma antologia com os seus poemas, editada pela Assirio & Alvim).

(Fotografia de Luís Eme - Sobreda)


segunda-feira, abril 25, 2022

"25 de Abril, Sempre!"


O grito, "25 de Abril, Sempre!", diz-nos, entre outras coisas, que o sonho do país  mais justo, ainda vive dentro de nós.

(Fotografia de Luís Eme - Ginjal)


quinta-feira, abril 21, 2022

Será a "Mea Culpa" do Município?


Ao ver este anúncio municipal, experimentei várias sensações. A primeira foi que o Município estava a fazer essa coisa raríssima, que é o assumir de responsabilidades pelo abandono de edifício adquirido ainda na gestão da CDU (último mandato).

Durante os primeiros quatro anos da governação socialista, nem sequer se deram ao trabalho de fazer qualquer estudo sobre o antigo edifício da EDP - que é como muito bem dizem, uma obra emblemática do arquitecto Francisco Keil do Amaral -, que agora dizem que irá ser reconvertido no novo Centro de Serviços Municipais. Deixaram sim, o prédio degradar-se e ser pilhado, como se não tivessem nada a ver com o assunto.

Mas como diz o povo mais vale tarde que nunca, e é verdade...


sábado, março 26, 2022

As Trocas de "Tachos" e os Reinos dentro das Repúblicas (com e sem bananas)...


Hoje escrevi no "Largo" sobre a diferença entre "confiança" e "competência" politica, com o pensamento no novo Governo PS.

Isso fez com que pensasse num "recorte" de jornal que me enviaram, que dizia que o "fotógrafo oficial" de Fernando Medina, tinha passado a "fotógrafo oficial" de Inês Medeiros, como acontece tantas vezes, quando se perde o poder.  Apesar da derrota política do PS em Lisboa, era necessário manter o "tacho" do senhor, e nada melhor que a "transferência" de Lisboa para Almada (é só atravessar o rio e já está...).

E lá vem a velha história dos partidos serem a "melhor agência de emprego" do país (infelizmente verdadeira, tantos são os exemplos, que nos deviam, indignar, no mínimo)...

Almada então, desde que se tornou o "reino" da dona Inês Medeiros, é um paraíso para jovens políticos socialistas, com os resultados que quase todos vimos, diariamente.

(Fotografia de Luís Eme - Tejo)


segunda-feira, março 21, 2022

A "Esperança" de Anyana


O que mais precisamos nestes tempos, é de esperança. Foi por isso que escolhi este poema de uma grande amiga, que já não está entre nós, Anyana, poeta e pintora cacilhense.


Esperança
 
Céu azul
Sol a brilhar,
Seres namorando
Belos momentos passando
E o mundo segue a rolar
E a vida a correr
Sempre e sempre mais veloz
Os cabelos a embranquecer
O corpo a enfraquecer
Aos poucos dentro de nós
 
Mas algo continuará
A terra germinará
E sua seiva e seu calor
Darão fruto darão flor
E o que não morre nunca
            O AMOR!
 
                                                           Anyana


(Fotografia de Luís Eme - Cacilhas)


sábado, março 12, 2022

A "Guerra" chegou ao Ginjal...


Ontem ao passar pelo Ginjal descobri esta pintura nas suas paredes, que penso querer "retratar" o combate dos líderes da Ucrânia e da Rússia.

O paredão do Ginjal é quase uma "galeria ambulante", mesmo que a maioria das coisas que por lá pintam, tenha pouco de artístico. Além do colorido e do reforço das paredes gastas, pouco sobra.

Fico chateado é quando os pintores de "tag´s" têm a coragem de destruir "grafittes" (pintar por cima...) que fazem juz à arte de rua.

(Fotografia de Luís Eme - Ginjal)


quinta-feira, março 03, 2022

O Adeus de Carlos Durão, um Grande Cacilhense e Amigo


Deixou-nos hoje um grande Cacilhense e um grande Amigo, Carlos Alberto Pinto Durão.

Em Janeiro de 2016 escrevi aqui no "Casario" este pequeno texto, em sua homenagem:

«O cacilhense Carlos Durão, além de ser um bom amigo, tem tido um papel bastante importante na pesquisa histórica que tenho feito sobre Cacilhas.

O facto do Carlos estar desde sempre ligado a Cacilhas e ser descendente de duas famílias importantes da Localidade Ribeirinha - a família Pinto Gonçalves ligada ao comércio (possuíram um dos mais importantes armazéns do distrito de Setúbal) e a família Durão (donos de uma das empresas que faziam a ligação entre Cacilhas e a Capital. com embarcações de carga e de passageiros) -, faz com que seja uma das pessoas que possui um conhecimento mais profundo e credível sobre os lugares  e as pessoas do nosso Concelho. Quando tenho alguma dúvida sobre algum trabalho que estou a realizar recorro à sua "memória de elefante" e normalmente fico sempre a saber mais qualquer coisa, para além daquilo que queria saber.

Felizmente também tive o grato prazer de ser seu companheiro no importante Movimento Associativo Almadense, que além de nos enriquecer culturalmente também tem a virtude de estreitar as relações humanas e esbater as diferenças sociais que existem entre nós. E se aprendi com a sua já longa experiência de vida, especialmente nos momentos mais conturbados, onde se revelou um autêntico "farol"...»

Foi um prazer contar com a amizade e o companheirismo do Carlos. Até sempre Amigo.

(Fotografia de Luís Eme - Almada)


domingo, fevereiro 27, 2022

Encontros e Reencontros na "Festa das Artes da SCALA"


Ontem voltei a ter uma agradável tarde artística em Almada.

Combinei com o meu amigo Américo bebermos um café e ver a sua exposição na IMARGEM ("Caminhos se Abrem Caminhos").

Além de metermos a conversa em dia, não há como uma visita guiada pelo próprio artista. Gostei do que que vi e também das palavras do Américo. Embora conhecesse quase todos os trabalhos expostos, gostei do equilibro, da arte com que a exposição foi montada.


Depois passámos pela inauguração da Festa das Artes da SCALA, na Oficina de Cultura, onde também tínhamos expostos trabalhos artísticos. Foi bom rever alguns amigos e amigas, conversar e sorrir com eles. 

Como havia um momento musical a decorrer (lembrei-me das palavras da Maria Manuel, quando dizia que a inauguração devia ser para as pessoas olharem as obras expostas conversarem e serem apresentadas umas às outras - se sentissem curiosidade, o que aconteceu comigo -, e não para músicas e poesias. Cada vez estou mais de acordo com ela...), tivemos de ficar na parte livre a conversar e a olhar para as paredes e para as esculturas espalhadas pela sala.


Quando finalmente foi possível olhar com olhos de ver (embora a confusão fosse muita e tenha de lá ir novamente, para ver o que não vi...), descobri um quadro da Rosarlette Meirelles, autora do que melhor se encontra em Almada de arte de rua. Quis muito conhecê-la, para lhe dizer que gosto muito dos seus desenhos, sempre com pessoas sofridas e preocupações sociais nas suas temáticas. 

Felizmente ainda estava na exposição e foi bom trocarmos algumas palavras e conhecermo-nos pessoalmente.

(Fotografias de Luís Eme - Almada)


terça-feira, fevereiro 22, 2022

A Defesa do Ambiente devia ser de Todos para Todos (infelizmente não é assim...)


É uma constatação, que quanto mais se caminha para o lado direito da política, menos preocupações existem com ambiente. Até porque o "dinheiro" raramente é amigo da qualidade de vida ambiental...

Podia falar de Almada, em que a CDU quis retirar os carros do centro da Cidade (um pouco antes do tempo, é certo...). Também foi criada uma zona industrial nos subúrbios, para retirar da cidade as industrias mais poluentes. 

Com a subida ao poder do PS, aliado ao PSD, tudo isso tem sido esquecido, quase que até se festejou a entrega do centro da cidade aos veículos, em detrimento das pessoas. E até oficinas de reparação automóvel já voltaram ao centro de Almada (o que até faz sentido, mais carros, mais oficinas)...

Em Lisboa passa-se a mesma coisa. As preocupações ambientais de Medina estão a ser colocadas no bolso do Moedas. Além da destruição de ciclovias, as vias de circulação automóvel vão expandir-se no centro da Capital.

Sei que existe algum fundamentalismo das associações ambientais e até de alguns partidos de esquerda mais virados para a ecologia. Mas outra coisa, bem diferente, é assobiar-se para o lado e fingir que está tudo normal, que não há alterações climáticas, que a "seca" é uma coisa passageira (o antigo ministro da agricultura socialista, Capoulas Santos, disse algo parecido...) e que se deve continuar a apoiar a agricultura intensiva ou a plantação de eucaliptais, por exemplo.

(Fotografia de Luís Eme - Cacilhas)


sexta-feira, fevereiro 11, 2022

"De Boas Intenções Está o Inferno Cheio..."

Diz o povo, há muitos e muitos anos, que "de boas intenções está o Inferno cheio". Quando o diz, fá-lo quase sempre com a sua sabedoria milenar, raramente escutada e analisada pelos políticos, de todos os tamanhos e feitios.

Já falei aqui das alterações que foram feitas na Praça Gil Vicente, um dos eixos mais movimentados do centro da cidade, que fica na fronteira entre Almada e Cacilhas.

A colocação de sinais para os peões (em todas as passadeiras...), é de uma estupidez notável. Além de não ter melhorado o trânsito (são sinais a mais para todos...), ainda o tornou mais lento e confuso.

Os automobilistas param vezes demais, porque agora além da paragem obrigatória por cada passagem do metro, ainda têm ainda de obedecer ao capricho dos peões, que carregam no botão dos sinais das passadeiras, para puderem passar em segurança.

Mas o pior de tudo, foi esta colocação de sinais ter desviado uma boa parte das pessoas das passadeiras. Para não terem de parar e ficar à espera que o sinal vermelho mude, passam para o outro lado da estrada, por onde lhes dá  mais jeito, sem a segurança das passadeiras.

Ou seja, esta tentativa de regular a circulação de automóveis e peões, só fez com que as pessoas passassem a infringir, ainda mais, as regras de trânsito e a colocarem em perigo a sua própria segurança...

Só não existem acidentes com mais frequência, porque esta continua a ser uma zona onde os veículos circulam a pouca velocidade, pelas filas de carros normalmente existentes e também pelo hábito.

(Fotografia de Luís Eme - Cacilhas)


quarta-feira, fevereiro 02, 2022

Abril, a Indústria Naval e o Associativismo...


Tenho reflectido e escrito sobre o quanto crescemos nos últimos 48 anos (pois é, já vivemos em liberdade há praticamente tanto tempo como o que vivemos em ditadura...).

Crescemos muito, felizmente. Onde se notam mais diferenças é na saúde, na educação e na habitação (mesmo que ainda existiam lacunas...), que passaram praticamente a ser um direito de todos nós.

Claro que cada Terra tem as suas especificidades. Almada, por exemplo, sempre foi um concelho muito singular. E foi por causa dessas singularidades, que a liberdade e a democracia não lhe trouxe apenas coisas boas.

Há dois sectores, que pela importância que tinham na comunidade local, acabaram por ser as grandes vítimas do progresso: a Indústria Naval e o Associativismo. 

Os pequenos estaleiros, como nunca se tinham modernizado, foram fechando, por falta de trabalho e também pelo aumento da despesa em salários (o fim da exploração dos trabalhadores trouxe tudo a nu...). A Lisnave, apesar da sua grandiosidade, também nunca deixou de estar em "crise" (mesmo que muitas vezes fosse uma crise artificial,  provocada pela má gestão empresarial, que até se deu ao luxo de recusar encomendas de trabalho...). Estes encerramentos na indústria provocaram um vazio, que nunca foi colmatado no Concelho.

O Associativismo também acabou por ser "vítima" da democracia, porque foi perdendo a sua auto suficiência e independência, devido à melhoria das condições de vida dos habitantes do Concelho. O primeiro revés aconteceu com o fim do "monopólio" da projecção de filmes (as salas de cinema que existiam em Almada pertenciam todas a Colectividades e  era a sua grande fonte de receitas).  O 25 de Abril também deu a possibilidade a quase todas as pessoas de terem televisão e puderem contruir a sua biblioteca pessoal. Ou seja, a melhoria da qualidade de vida das pessoas, acabou por ir "esvaziando", de uma forma natural, a importância das Associações, culturais e recreativas, no dia a dia dos almadenses...

(Fotografia de Luís Eme - Almada)