quarta-feira, fevereiro 10, 2010

Um Absurdo por Corrigir...

Com o aparecimento do metro de superfície em Almada, verificaram-se uma série de alterações no trânsito local. Algumas acabaram por ser revistas, como as mudanças de sentido de algumas ruas (sem qualquer sentido, feitas apenas a olhar para as plantas e mapas da cidade...), que não melhoraram em nada a circulação rodoviaria.

Uma das coisas que não se alterou, infelizmente, foi a inexistência de qualquer paragem coberta dos autocarros dos TST, no eixo central da cidade.
Com este tempo chuvoso, não consigo perceber porque razão as pessoas têm de estar à chuva, à espera do respectivo autocarro.
Apesar de Almada se afirmar como cidade solidária e igualitária, nota-se que existem cidadãos de primeira e de segunda, consoante o tipo de transporte que utilizam...
Se se trata de uma questão estética, há muitos tipos de paragens cobertas que se enquadram na paisagem urbana, sem que a cidade fica mais feia...

12 comentários:

Observador disse...

Ao que sei, vai acabar a passagem dos autocarros no espaço canal do MST.
Por isso, e a confirmar-se a ideia, não se colocam as paragens.

Não será isto tratar os cidadãos e/ou munícipes abaixo de cão?

Maria P. disse...

E quem anda à chuva molha-se...

Bjs, Luís M.

CAP CRÉUS disse...

Olhe, em Odivelas, ainda há paragens no meios dos carros, sem protecção contra vento e chuva. Acho lindo!
E o povinho a pagar o passe. Paga e cala!
Mete é nojo!

Rosa dos Ventos disse...

Assim é que fica muito feia!

Abraço

Luis Eme disse...

se é por isso, acho errado, Observador.

até se acabarem com os autocarros no eixo central, muita chuva vai cair...

Luis Eme disse...

sim, se não tiver um bom chapéu de chuva, M. Maria Maio...

Luis Eme disse...

e deve haver mais lugares assim, Cap.

este país é uma maravilha...

Luis Eme disse...

feia e desagradável, Rosa.

Cris Caetano disse...

E posso fazer uma observação crítica? Achei uma gracinha a relva junto aos trilhos do metro na Maia, mas fiquei imaginando a relva crescendo junto aos trilhos, meia dúzia de homens fazendo a manutenção da mesma por um raio de quilômetros na chuva, no frio e no sol, pensei no custo, e achei a gracinha verde tão próxima as trilhos dispensável. Acredito que há outras opções pra relvinha ou para o "verde" no local.

Beijinhos

Luis Eme disse...

sim, a relva sintética, Cris, poderia ser uma possibilidade...

e não falaste do gasto de água para manter o verde no Verão...

Cris Caetano disse...

Bem lembrado, Luís... ou seja, custos e custos às nossas custas.

Beijinhos

Luis Eme disse...

nem mais, Cris...