quinta-feira, outubro 26, 2006

As Vedetas


Acabei esta noite da melhor maneira, assistindo a um excelente espectáculo teatral representado pelo Cénico da Incrível Almadense, nas comemorações dos 158 anos da Sociedade Filarmónica Incrível Almadense.
A peça “As Vedetas” alimenta-se de um diálogo, vivo e delicioso, entre duas mulheres-actrizes com posturas diferentes, na vida e nos palcos.
O texto foi escrito por Lucien Lambert, encenado por Eugénia Conceição e interpretado por Andreia Freire (Sylvie) e Sónia Martins (Simone), de forma brilhante.
Quem assistiu a este espectáculo ficou com a sensação de ter descoberto duas excelentes actrizes - apesar de amadoras -, com capacidade e talento para agarrarem o público durante aproximadamente uma hora, sem oscilações.
As largas dezenas de pessoas que se deslocaram ao Salão de Festas da Incrível, devem ter ficado felizes por verem que algumas pessoas são capazes de fazer coisas óptimas, com um Papel, como foi o caso da Andreia e da Sónia...
Parabéns à Geninha, a encenadora e responsável pelo Cénico da Incrível Almadense, um grupo cheio de gente com arte e talento.

7 comentários:

Alice C. disse...

Não sabia da exibição da peça "As Vedetas", pelo grupo de teatro da Incrível. Pelo que tu escreveste deve ter sido um bom espectáculo.
Espero que volte à cena, para eu ver as duas jovens "vedetas".

Luis Eme disse...

Quando voltar à cena... não percas, vale a pena ver teatro amador com esta qualidade.

Sonita disse...

Olá, eu sou umas das "Vedetas" Venho deste modo agradecer todo o elogio feito à peça! É por estes motivos e não só, que tenho todo o prazer em continuar a fazer bom teatro, espero eu...
Muito Obirgada!

Luis Eme disse...

E esta? Fui visitado por uma "Vedeta"!...
Obrigado Sonita e feliz carreira artística. Talento não te falta.

Geninha disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Geninha disse...

Apareci tarde por aqui, mas cá estou eu.

Obrigada pelo simpático comentário à peça. É desta interacção entre actores e público que vive o teatro.

Luis Eme disse...

Aparece sempre... e viva o Teatro!