terça-feira, agosto 29, 2006

Era Uma Vez...


Era uma vez...
Todas as histórias que nos contavam na meninice começavam assim.
Mais tarde descobrimos, que as histórias, não têm necessariamente que começar desta maneira.
Este deve ser um dos primeiros indícios de que já crescemos um palmo.
Esta introdução deve-se em parte à leitura de um "post" colocado no blogue "Sesimbra e Ventos", onde, António Cagica Rapaz, consegue brincar com coisas sérias, de uma forma irónica claro, no seu "Jornal Passional". Porque neste país, só dá para fazermos isso...
Provavelmente, devia acrescentar ao título desta crónica: "(Era Uma Vez) Um País do Faz de Conta", tantos são os episódios, que se passam entre nós, que soam a anedota.
Há quem diga que sempre foi assim, mas eu não acredito muito nisso.
Claro que há demasiadas pessoas que querem ficar bem na fotografia, por mais amarelado que seja o seu sorriso. Há sempre quem viva "noutro país"...
O cartaz que ilustra este texto é o melhor exemplo da dualidade, que existe, e sempre existiu no nosso país.
Enquanto os jovens portugueses eram empurrados para as nossas Colónias, «para defenderem a Pátria», a Companhia Portuguesa de Navegação convidava alguns metropolitanos (quem seriam?...) a visitarem o maravilhoso Ultramar Português, dos leões e leoas...
Voltando ao "Jornal Passional", de entre os vários temas pertinentes focados pelo Cagica Rapaz, vou escolher mais dois: A Nossa (Possível) Presença Militar no Libano; e a Bandalheira do Futebol Português.
Em relação à nossa (uma forte possibilidade...) presença no Oriente, parece-me ser mais um erro grasso da nossa diplomacia. Seria mais inteligente reduzirmo-nos à nossa insignificância, sem andarmos a fazer figuras ridiculas na Europa, armados em heróis (para variar, os nossos ditos heróis, fazem a sua "guerrinha" nos seus gabinetes e não no Oriente ou aparecem para a fotografia, como o Zé Manel nos Açores...). Aliás, penso que esta, será mais uma Acção Militar suicidária (tal como a do Iraque), já que não acredito, que tanto os israelitas como o Hezbollah, cumpram o cessar fogo.
Em relação ao "Caso Mateus", é uma vergonha que os responsáveis da Liga (que agora trocam acusações entre si - Valentim e Leal) tenham conseguido transformar um simples caso de incumprimento da Lei Desportiva, naquilo que muitos oportunistas já querem transformar numa "guerra" Norte-Sul.
Eu vejo tudo isto com clareza. Segundo as "Leis do Futebol" é proibido recorrer aos tribunais civis. Quem o fizer, sabe que corre o risco de descer de divisão. Pelo que, o Gil Vicente antes de o ter feito, devia ter pensado nas consequências...
Infelizmente, neste país acontece um pouco de tudo, embora seja costume fingir, que não se passa nada...
É por isso que continuam a haver demasiadas histórias, que começam por: Era uma Vez...

10 comentários:

António Cagica Rapaz disse...

Agradeço as simpáticas referências e, a título de curiosidade, recordo que, em 1971, fui forçado a intentar um processo ao Belenenses que se recusava a cumprir um contrato.
Era um conflito laboral entre patrão e empregado, mas foi julgado na FederaçãoPortuguesa de Futebol.
O presidente do Belenenses era o Juiz Desembargador Gouveia da Veiga que era, ao (mesmo) tempo presidente do Tribunal Jurisdicional da Federação.
O caso arrastou-se durante 2 anos e meio, mas ganhei.
O Sr. Dr. Juiz foi testemunha contra mim e, sem querer, deu-me uma boa ajuda, mas isso é outra história.
Veja-se porém a promiscuidade e a confusão reinantes naquela altura, para percebermos que, 35 anos depois, só as moscas mudaram...

Cristina disse...

pois...

Luis Eme disse...

É uma pena que as coisas continuem a funcionar da forma qur todos sabemos. E o pior, é que as pessoas com reponsabilidade (neste caso, os responsáveis pela Liga) em vez de esclarecerem a opinião pública, lançam mais achas para a fogueira, como se não ficassem chamuscados.
Uma das coisas que me faz mais confusão no dirigismo, é as pessoas não perceberem que já estão a mais nos organismos que presidem.

Luis Eme disse...

Obrigado pela visita Cristina.

jcfrancisco disse...

Em Abril de 2001 aconteceu algo parecido mas como envolvia miúdos ninguém falou. O Sporting tinha uma fantástica equipa de Iniciados onde pontificavam nomes como João Moutinho, Emídio Rafael, Miguel Veloso, André Vilar, Jorge Tavares, Zezinando, Sabino, Carlos Saleiro e muitos outros. Ganharam os jogos todos, marcaram 196 golos e sofreram 5 mas não foram campeões porque uns advogados de meia tijela arranjaram um esquema de protestos e de recursos por causa de um jogo no Norte e nesse ano não houve campeão. O que me custa é que neste caso nem há caso: o Gil vicente não tem, não teve nem nunca terá razão. O Mateus até é bom rapaz e eu falei com ele muitas vezes quando ele jogou na equipa «B» do Sporting mas não pode ser amador e profissional na mesma época.

Luis Eme disse...

Exactamente, Zé do Carmo Francisco.
Só não percebe, quem não está minimamente interessado em perceber.
Coitados é dos jogadores, que não têm culpa nenhuma, e vão ser os grandes prejudicados de toda esta situação.

Minda disse...

Depois de uma seca daquelas qeu te dei no artigo anterior, nem me atrevo a dizer mais nada... A não ser que, no caso do futebolês: mas quem são esses senhores para se julgarem acima da lei e do direito e acharem que mesmo questões fora dos aspectos técnicos desportivos (essas sim a serem avaliadas pela Federação) não podem ser analisadas pelos tribunais comuns? Tribunais, tão só. A nossa Constituição não prevê tribunais desportivos. E ponto final.

Luis Eme disse...

Minda, a questão é desportiva, porque se trata da forma como o jogador está inscrito na Federação. Ou seja, ele não pode ser inscrito como amador e profissional na mesma época, que foi o que o Gil Vicente fez.
Achas que a inscrição de um atleta numa federação não é um acto desportivo?
Também devo acrescentar que não existem tribunais desportivos, existem sim, regras da FIFA e da UEFA, que todos os organismos pertencentes a estas instituições têm de cumprir, como é o caso da FPF. Caso não as aceitem, só têm uma coisa a fazer, saem destes organismos e deixam de participar nas provas que eles organizam, as competições europeias de clubes e os campeonatos da Europa e do Mundo de selecções.
Espero não te ter deixado ainda mais confusa...

Minda disse...

As coisas podem até ser como dizes. Só pertence a um "clube" quem aceita as regras, como é óbvio. Se há desrespeito tem de haver penalizações, com certeza. Mas este "caso Mateus", por aquilo que vou sabendo pela comunicação social (e temos, ainda, de contar com o ataque cerrado de desinformação que anda por aí) tem contornos pouco explícitos, pelo menos para uma leiga em questões desportivas como eu. E já há demasiada gente/clubes metidos ao barulho, com questões paralelas, que acabam por desviar o assunto do fundamento inicial. E o que me choca, além do circo montado à volta disto, é a prepotência desses senhores da FIFA e da FPF...

Luis Eme disse...

Claro que há muita prepotência (e até incompetência, entre outras coisas) da FIFA e da FPF... pelo menos desde que este desporto passou a ser um negócio.