sábado, junho 19, 2010

Uma Apresentação Memorável

O livro, "Na Viragem do Milénio, 160 Anos Incríveis", foi apresentado de forma magistral por José Manuel Maia, o presidente da Assembleia Municipal de Almada, cuja sensibilidade para a Cultura já há muito era conhecida.

Numa sessão muito bem organizada, que começou com a música da banda filarmónica da Incrível Almadense - que cada vez mais se parece com uma orquestra, cheia de gente nova -, José Manuel Maia conseguiu sintetizar muito bem a obra em causa, referindo os seus aspectos mais relevantes, tal como as pessoas envolvidas, realçando de uma forma mais que justa o papel de Carlos Guilherme, que é de facto a "alma" do livro, pois foi graças à sua energia contagiante que conseguiu a colaboração necessária para a sua realização e posterior edição, com os apoios do Município e da Junta de Freguesia de Almada.

Houve também a participação dos grupos coral e cénico, tal como as intervenções dos presidentes da Incrível, do Município e da Junta de Freguesia de Almada, da sessão que foi encerrada com a execução do hino da Incrível Almadense, pela sua excelente orquestra.

Foi bom ver tantos amigos ´"Incríveis", neste bonito dia da nossa colectividade, dos quais destaco Carlos Guilherme, Fernando Barão, Orlando Laranjeiro, Diamantino Lourenço, Virgolino Coutinho, Alexandre Castanheira, José Luís Tavares, Francisco Gonçalves, e também um convidado especial, o coronel Vasco Lourenço.

Uma noite grande para a ainda maior, Incrível Almadense, a "Catedral" do associativismo almadense, que caminha para os 162 anos de vida.

6 comentários:

Observador disse...

Parabéns.

Catarina disse...

Óptimo, Luís.
Obrigada por partilhar. Fico a conhecer o que se passa aí por essas bandas! Gosto desse tipo de iniciativas,d esse sentido comunitário que se perdeu em certas zonas.

Maria P. disse...

Parabéns:)

Beijinho, Luís M.

Luis Eme disse...

grato, Observador.

Luis Eme disse...

por aqui ainda existe associativismo, Catarina, mesmo em crise, vai resistindo...

Luis Eme disse...

sim, M. Maria Maio.