domingo, março 08, 2009

Tu És Aquela...


Eu...

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada... a dolorida...

Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber por quê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!

Florbela Espanca
O óleo é de Balthus...

6 comentários:

Maria P. disse...

Belíssimo...
Obrigada.

Beijos, Luís M.

Maria disse...

Já percebi que ando mesmo atrás da Maria P....
O que a Florbela sofreu, a beleza dos poemas que nos deixou...
Obrigada, Luís.

Beijinho

Rosa dos Ventos disse...

Uma mulher apaixonada, incompreendida e que nos deixou belos e doridos sonetos, como este!

Abraço

Cris Caetano disse...

Ah, como adoro Florbela e esse poema. O óleo é fabuloso, ótima escolha.

Beijinhos

ivone disse...

deixo_te com um excerto do diário de florbela que penso completa em parte o soneto que aqui tens e onde me releio quase todos os dias:


Nas horas que se desagregam, que desfio entre os meus dedos parados, sou a que sabe sempre que horas são, que dia é, o que faz hoje, amanhã, depois. Não sinto deslizar o tempo através de mim, sou eu que deslizo através dele e sinto-me passar com a consciéncia nítida dos minutos que passam e dos que se vão seguir. Como compreender a amargura desta amargura? Onde paras tu, ó Imprevisto, que vestes de cor-de-rosa tantas vidas? Deus malicioso e frívolo que tão lindos mantos teces sobre os ombros das mulheres que vivem? Para mim és um fantoche, ora amável ora rabugento, de que eu conheço todos os fios, de quem eu sei de cor todas as contorções. «Attendre sans espérer» poderia ser a minha divisa, a divisa do meu tédio que ainda se dá ao prazer de fazer frases.

bem hajas pela partilha

Luis Eme disse...

ainda bem que gostaram, foi em vossa homenagem, M. Maria Maio, Maria, Rosa, Cris, Ivone.