quarta-feira, agosto 01, 2007

Regresso ao Ginjal



Está tudo igual...
muito pó,
muito barulho,
muitas grades,
que aprisionam a Cidade...
Não
cheguei de barco a remos,
nem tão
pouco pude atracar na Praia das Lavadeiras,
embora passasse por lá,
há poucas
horas,
com o sol
ainda forte
a dar um brilho especial ao Tejo...

14 comentários:

vague disse...

Olha, voltaste ao casario :)

Maria disse...

Eu hoje atravessei o Tejo e nem o vi....
Gosto de te ver aqui!

Rosa dos Ventos disse...

Já te sabia de volta!
Nunca está tudo igual...
Olha bem!
Abraço

CAP CRÉUS disse...

Bem vindo de novo!

Debaixo do Bulcão disse...

Olá de novo, Luís Milheiro!

Então...

«muito pó,
muito barulho,
muitas grades,
que aprisionam a Cidade...»

pois é!...

E agora, para piorar as coisas, parece que a Maria Emília anda para aí a atacar, de moto-serra na mão!

Pelo menos, é o que dizem alguns cartazes afixados em árvores na Nuno Álvares Pereira...

(Melhor ainda que o "espaço canal caveira", nas paredes de Cacilhas, não é?)

Estou a brincar?

Mais ou menos...

Mas os cartazes existem mesmo, e estão lá afixados. Ainda...

Saudações!

Vitorino

Reporter disse...

O sol continua a brilhar sobre um Tejo que teima em não desistir de melhores dias.
E bem merece...

Acabaram as férias ahn? Também as minhas.

Cris Caetano disse...

Muito bonito, Luís! Meu gosto pela poesia tem a ver com o fato das palavras expressarem nossos melhores sentimentos.
Beijos

Luis Eme disse...

Pois voltei Vague...

Luis Eme disse...

Também gosto de ver no Tejo, Maria...

Luis Eme disse...

Pois é, as coisas estão sempre a circular, Rosa...

Luis Eme disse...

Gostei do cartaz, Vitorino, mas como este mês prometi a mim mesmo, fingir que os tipos que mandam chover em Almada, zarparam, vou tentar não lhes vou dar atenção...

Luis Eme disse...

Olá "Cap"...

Luis Eme disse...

Pois, as férias já eram, Repórter...

Luis Eme disse...

Isto nem era para ser poesia Cris...

resolvi apenas partir as frases...