sábado, novembro 14, 2009

A Poesia do Tejo...


A poesia do Tejo também se fixa nas suas margens e não apenas no seu leito.
Neste caso particular estou a falar da margem direita, rente aos novos espaços de embarque do Cais Sodré, poiso de muitos pescadores, que não deixam de ler que o Tejo é (o rio) mais belo...
Provavelmente nem todos conhecem o Alberto Caeiro ou o Fernando Pessoa, mas nem por isso deixam de concordar com ele...

10 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

" O rio da minha aldeia não faz pensar em nada,
Quem está ao pé dele está só ao pé dele."

E quem está ao pé dele está muito bem!

Abraço

Lúcia disse...

Que lindo! A foto não é montagem? Está mesmo pintado no chão?

Luis Eme disse...

se está, mesmo com este vento, Rosa...

Luis Eme disse...

claro que não, Lúcia, está lá mesmo, mesmo ao lado da estação fluvial do Cais Sodré...

Cris Caetano disse...

Adorei a poesia no chão.

Beijinhos, Luís

Luis Eme disse...

também gostei e mais ainda de ser Alberto Caeiro, Cris...

isabel victor disse...

Belo. Muito belo _______________


iv*

isabel victor disse...

Belo. Muito belo _______________


iv*

isabel victor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luis Eme disse...

também achei, Isabel...