segunda-feira, junho 24, 2013

A Procissão de S. João Baptista


Embora more em Almada há vinte seis anos, só ontem é que assisti à primeira parte  da procissão de S. João.

Sim, primeira parte. No fim da tarde de 23 de Junho S. João é levado da Igreja de Santiago para a Capela da Ramalha, onde pernoita e fica até ao fim da tarde seguinte, quando se assiste à segunda parte da procissão, com o seu regresso à Igreja de Santiago, no percurso inverso.

É uma procissão de quase duas horas e que exige alguma resistência física, apesar da maior parte dos participantes pertencerem à terceira idade. Parte da Igreja de Santiago, no Jardim do Castelo, percorre a rua Capitão Leitão até ao Cabo da Vila e depois segue na direcção do Pragal, descendo na direcção da Capela da Ramalha, na rotunda junto à estátua de Fernão Mendes Pinto.

Há duas lendas associadas a estes festejos, a primeira relata um caso de amor entre um soldado cristão das tropas do rei D. Afonso Henriques e uma bonita princesa moura, que acabaria por provocar uma batalha entre portugueses e mouros, na Ramalha, que teria contado com a ajuda de S. João, na vitória lusitana.

A segunda lenda fala também de uma batalha, mas já nos tempos de D. Sancho I, ocupado com a reconquista do território e que travou uma batalha contra MIramolim de Marrocos e vence, mais uma vez com as boas graças de S. João.

Associada a esta lenda e à procissão era organizado também um arraial, um desfile de carroças e galeras,  e engalanadas com canas verdes e flores campestres, que transportavam pessoas e merendas, acompanhados por ranchos de folgazões, que se faziam acompanhar por músicos das bandas das colectividades de Almada e animavam a festa. 

Estes festejos pagãos das colheitas realizaram-se até aos anos sessenta do século passado. 

Segundo rezam algumas crónicas, o seu fim estará ligado aos desacatos provocados pelo consumo excessivo de vinho da região, que fazia com que algumas  rivalidades locais viessem ao de cima e a festa acabasse da pior maneira.

6 comentários:

Observador disse...

Luis
É impressão minha ou a procissão deste ano não teve tanta adesão?

Abraço

Cris Caetano disse...

O vinho, este grande culpado. :)

Beijos, Luis

Rosa dos Ventos disse...

No meu bairro há uma capela de S.João relativamente recente que acabou por dar origem ao maior arraial por estas redondezas...e olha que por aqui não faltam santos! :-))
Este ano só consegui marcar presença no dia 24 à noite!

Abraço em noite de S. Pedro

Luis Eme disse...

como disse, Observador, foi a primeira vez que participei, não tenho dados para comparar.

mas ia bastante gente, uns saiam, outros entravam, foi assim, até á Ramalha.

Luis Eme disse...

serve para tudo, Cris.:)

Luis Eme disse...

pois não, estás "santificada", Rosa. :)