sábado, janeiro 05, 2013

A Minha Margem



Escrevi um poema sobre a temática da minha exposição de fotografia, que será inaugurada  daqui a pouco, às 16 horas, na Oficina de Cultura de Almada, na Exposição Comemorativa do 18º Aniversário da Associação Amigos da Cidade de Almada. Poema que publico com todo o gosto, juntamente com uma das fotografias expostas, "O Corredor da Júlia":

a minha margem

A Minha Margem é um farol
Que abraça as barcas do rio
Os pescadores com e sem anzol
E todos aqueles que furam o vazio
Para dar vida a este lugar
Que já foi um Ginjal
Com uma janela para sonhar
E uma varanda tão bela e natural

Os dias de nevoeiro são excepção
Quase que há Verão o ano inteiro
Como se a Minha Margem fosse uma canção
Radiante com o poder da luz solar
E da maré, que ora fica vazia ora fica cheia,
Deste Tejo que às vezes parece um mar
Mesmo que seja apenas
O rio da minha aldeia…

                        Luís Milheiro

4 comentários:

elvira carvalho disse...

Uma margem especial poeta.
Um abraço e bom Domingo de Reis

Cris Caetano disse...

Lindos... poema e foto.

Beijos

Luis Eme disse...

abraço Elvira.

Luis Eme disse...

ainda bem qie o poema foi colocado ao lado das fotografias, no começo da exposição, Cris.

as legendas limitaram-se a ficar no "preçário".